Da História do Quotidiano da Opereta em Lisboa

Do ultimo quartel do século XIX ao final da década de 1920

Research output: Contribution to conferenceOther

Abstract

Este trabalho de investigação visará a problematização de duas teses. Uma primeira onde afirmo que a opereta corresponde a um discurso que tem vindo a atribuir consistência institucional a redes de sociabilidade de musicólogos portugueses. Esse discurso tem enfatizado dimensões hermenêuticas do espetáculo músico-teatral, privilegiando posições como a do autor musical e textual enquanto principais sujeitos da respetiva história. É também nesse processo que se constrói o estatuto do próprio musicólogo, considerado detentor das competências essenciais à interpretação do objeto opereta. Neste sentido, as narrativas sobre o tema têm destacado a ação individual em detrimento da coletiva, prevalecendo um paradigma musicológico baseado na narração da emergência de grandes correntes estéticas.Isto conduz-me à segunda tese: a de que a opereta praticada em Portugal durante a segunda metade do século XIX e as primeiras três décadas do século XX correspondeu a um complexo de interações quotidianas entre indivíduos, no âmbito das quais estes constituíram e reconfiguraram continuamente os seus posicionamento no mundo social. As suas experiências não são contudo subsumíveis numa ideia de espetáculo, de mercado músico-teatral, ou de empresa teatral, havendo margem para a criatividade individual na relação com políticas institucionais inerentes a essas categorias e, por conseguinte, na definição do lugar de cada agente no sistema social. O principal objetivo deste estudo é, portanto, identificar e discutir políticas da história da música que tenham vindo a privilegiar determinados agentes do quotidiano desse terreno em detrimento de outros, mantidos num plano invisível.Trata-se então de uma investigação qualitativa, que será baseada em fontes documentais e orais, recolhidas respetivamente através de pesquisa em arquivos públicos e privados, e de entrevistas não-estruturadas. No que concerne às primeiras, refiro-me a múltiplos formatos de registo: documentos pessoais como, por exemplo, epistolografia, autobiografia, memórias ou iconografia íntima; documentos da administração estatal; documentos da administração e expediente privado; documentos de índole artística; bibliografia académica; publicações periódicas; e publicidade. Quanto às fontes orais, prevejo vir a recolher testemunhos de utentes da Casa do Artista e de agentes vinculados à atividade do Parque Mayer. A análise dos dados será baseada nas técnicas propostas por Gilbert e Mulkay (1984) e aprofundada atendendo aos três níveis sistematizados por Bryman (2012): a dimensão textual do discurso; o discurso com prática interativa; e o contexto em que é concretizado. Serão centrais a esta investigação os conceitos de “discurso” segundo Michel Foucault (1969), “art worlds” de Howard Becker (1982) e “musicking” por Christopher Small (1998), bem como os contributos de outros teóricos como Maurice Halbwachs, Pierre Bourdieu, Jean-François Sirinelli, William Weber, Mark Everist, Bruno Latour e Tia DeNora.
Original languagePortuguese
Publication statusPublished - Jun 2017
EventIII Simpósio Informal do CESEM - Faculdade de Ciências Sociais e Humanas – Universidade Nova de Lisboa, Lisbon, Portugal
Duration: 2 Jun 20173 Jun 2017

Other

OtherIII Simpósio Informal do CESEM
CountryPortugal
CityLisbon
Period2/06/173/06/17

Keywords

  • Discurso
  • Musicologia
  • Quotidiano
  • Opereta
  • Lisboa

Cite this

@conference{f40d6444bc5f45b39bf61d62827b57b9,
title = "Da Hist{\'o}ria do Quotidiano da Opereta em Lisboa: Do ultimo quartel do s{\'e}culo XIX ao final da d{\'e}cada de 1920",
abstract = "Este trabalho de investiga{\cc}{\~a}o visar{\'a} a problematiza{\cc}{\~a}o de duas teses. Uma primeira onde afirmo que a opereta corresponde a um discurso que tem vindo a atribuir consist{\^e}ncia institucional a redes de sociabilidade de music{\'o}logos portugueses. Esse discurso tem enfatizado dimens{\~o}es hermen{\^e}uticas do espet{\'a}culo m{\'u}sico-teatral, privilegiando posi{\cc}{\~o}es como a do autor musical e textual enquanto principais sujeitos da respetiva hist{\'o}ria. {\'E} tamb{\'e}m nesse processo que se constr{\'o}i o estatuto do pr{\'o}prio music{\'o}logo, considerado detentor das compet{\^e}ncias essenciais {\`a} interpreta{\cc}{\~a}o do objeto opereta. Neste sentido, as narrativas sobre o tema t{\^e}m destacado a a{\cc}{\~a}o individual em detrimento da coletiva, prevalecendo um paradigma musicol{\'o}gico baseado na narra{\cc}{\~a}o da emerg{\^e}ncia de grandes correntes est{\'e}ticas.Isto conduz-me {\`a} segunda tese: a de que a opereta praticada em Portugal durante a segunda metade do s{\'e}culo XIX e as primeiras tr{\^e}s d{\'e}cadas do s{\'e}culo XX correspondeu a um complexo de intera{\cc}{\~o}es quotidianas entre indiv{\'i}duos, no {\^a}mbito das quais estes constitu{\'i}ram e reconfiguraram continuamente os seus posicionamento no mundo social. As suas experi{\^e}ncias n{\~a}o s{\~a}o contudo subsum{\'i}veis numa ideia de espet{\'a}culo, de mercado m{\'u}sico-teatral, ou de empresa teatral, havendo margem para a criatividade individual na rela{\cc}{\~a}o com pol{\'i}ticas institucionais inerentes a essas categorias e, por conseguinte, na defini{\cc}{\~a}o do lugar de cada agente no sistema social. O principal objetivo deste estudo {\'e}, portanto, identificar e discutir pol{\'i}ticas da hist{\'o}ria da m{\'u}sica que tenham vindo a privilegiar determinados agentes do quotidiano desse terreno em detrimento de outros, mantidos num plano invis{\'i}vel.Trata-se ent{\~a}o de uma investiga{\cc}{\~a}o qualitativa, que ser{\'a} baseada em fontes documentais e orais, recolhidas respetivamente atrav{\'e}s de pesquisa em arquivos p{\'u}blicos e privados, e de entrevistas n{\~a}o-estruturadas. No que concerne {\`a}s primeiras, refiro-me a m{\'u}ltiplos formatos de registo: documentos pessoais como, por exemplo, epistolografia, autobiografia, mem{\'o}rias ou iconografia {\'i}ntima; documentos da administra{\cc}{\~a}o estatal; documentos da administra{\cc}{\~a}o e expediente privado; documentos de {\'i}ndole art{\'i}stica; bibliografia acad{\'e}mica; publica{\cc}{\~o}es peri{\'o}dicas; e publicidade. Quanto {\`a}s fontes orais, prevejo vir a recolher testemunhos de utentes da Casa do Artista e de agentes vinculados {\`a} atividade do Parque Mayer. A an{\'a}lise dos dados ser{\'a} baseada nas t{\'e}cnicas propostas por Gilbert e Mulkay (1984) e aprofundada atendendo aos tr{\^e}s n{\'i}veis sistematizados por Bryman (2012): a dimens{\~a}o textual do discurso; o discurso com pr{\'a}tica interativa; e o contexto em que {\'e} concretizado. Ser{\~a}o centrais a esta investiga{\cc}{\~a}o os conceitos de “discurso” segundo Michel Foucault (1969), “art worlds” de Howard Becker (1982) e “musicking” por Christopher Small (1998), bem como os contributos de outros te{\'o}ricos como Maurice Halbwachs, Pierre Bourdieu, Jean-Fran{\cc}ois Sirinelli, William Weber, Mark Everist, Bruno Latour e Tia DeNora.",
keywords = "Discurso, Musicologia, Quotidiano, Opereta, Lisboa",
author = "Filipe Gaspar",
note = "info:eu-repo/grantAgreement/FCT/5876/147237/PT# UID/EAT/00693/2013 PD/BD/132377/2017; null ; Conference date: 02-06-2017 Through 03-06-2017",
year = "2017",
month = "6",
language = "Portuguese",

}

Gaspar, F 2017, 'Da História do Quotidiano da Opereta em Lisboa: Do ultimo quartel do século XIX ao final da década de 1920' III Simpósio Informal do CESEM , Lisbon, Portugal, 2/06/17 - 3/06/17, .

Da História do Quotidiano da Opereta em Lisboa : Do ultimo quartel do século XIX ao final da década de 1920. / Gaspar, Filipe.

2017. III Simpósio Informal do CESEM , Lisbon, Portugal.

Research output: Contribution to conferenceOther

TY - CONF

T1 - Da História do Quotidiano da Opereta em Lisboa

T2 - Do ultimo quartel do século XIX ao final da década de 1920

AU - Gaspar, Filipe

N1 - info:eu-repo/grantAgreement/FCT/5876/147237/PT# UID/EAT/00693/2013 PD/BD/132377/2017

PY - 2017/6

Y1 - 2017/6

N2 - Este trabalho de investigação visará a problematização de duas teses. Uma primeira onde afirmo que a opereta corresponde a um discurso que tem vindo a atribuir consistência institucional a redes de sociabilidade de musicólogos portugueses. Esse discurso tem enfatizado dimensões hermenêuticas do espetáculo músico-teatral, privilegiando posições como a do autor musical e textual enquanto principais sujeitos da respetiva história. É também nesse processo que se constrói o estatuto do próprio musicólogo, considerado detentor das competências essenciais à interpretação do objeto opereta. Neste sentido, as narrativas sobre o tema têm destacado a ação individual em detrimento da coletiva, prevalecendo um paradigma musicológico baseado na narração da emergência de grandes correntes estéticas.Isto conduz-me à segunda tese: a de que a opereta praticada em Portugal durante a segunda metade do século XIX e as primeiras três décadas do século XX correspondeu a um complexo de interações quotidianas entre indivíduos, no âmbito das quais estes constituíram e reconfiguraram continuamente os seus posicionamento no mundo social. As suas experiências não são contudo subsumíveis numa ideia de espetáculo, de mercado músico-teatral, ou de empresa teatral, havendo margem para a criatividade individual na relação com políticas institucionais inerentes a essas categorias e, por conseguinte, na definição do lugar de cada agente no sistema social. O principal objetivo deste estudo é, portanto, identificar e discutir políticas da história da música que tenham vindo a privilegiar determinados agentes do quotidiano desse terreno em detrimento de outros, mantidos num plano invisível.Trata-se então de uma investigação qualitativa, que será baseada em fontes documentais e orais, recolhidas respetivamente através de pesquisa em arquivos públicos e privados, e de entrevistas não-estruturadas. No que concerne às primeiras, refiro-me a múltiplos formatos de registo: documentos pessoais como, por exemplo, epistolografia, autobiografia, memórias ou iconografia íntima; documentos da administração estatal; documentos da administração e expediente privado; documentos de índole artística; bibliografia académica; publicações periódicas; e publicidade. Quanto às fontes orais, prevejo vir a recolher testemunhos de utentes da Casa do Artista e de agentes vinculados à atividade do Parque Mayer. A análise dos dados será baseada nas técnicas propostas por Gilbert e Mulkay (1984) e aprofundada atendendo aos três níveis sistematizados por Bryman (2012): a dimensão textual do discurso; o discurso com prática interativa; e o contexto em que é concretizado. Serão centrais a esta investigação os conceitos de “discurso” segundo Michel Foucault (1969), “art worlds” de Howard Becker (1982) e “musicking” por Christopher Small (1998), bem como os contributos de outros teóricos como Maurice Halbwachs, Pierre Bourdieu, Jean-François Sirinelli, William Weber, Mark Everist, Bruno Latour e Tia DeNora.

AB - Este trabalho de investigação visará a problematização de duas teses. Uma primeira onde afirmo que a opereta corresponde a um discurso que tem vindo a atribuir consistência institucional a redes de sociabilidade de musicólogos portugueses. Esse discurso tem enfatizado dimensões hermenêuticas do espetáculo músico-teatral, privilegiando posições como a do autor musical e textual enquanto principais sujeitos da respetiva história. É também nesse processo que se constrói o estatuto do próprio musicólogo, considerado detentor das competências essenciais à interpretação do objeto opereta. Neste sentido, as narrativas sobre o tema têm destacado a ação individual em detrimento da coletiva, prevalecendo um paradigma musicológico baseado na narração da emergência de grandes correntes estéticas.Isto conduz-me à segunda tese: a de que a opereta praticada em Portugal durante a segunda metade do século XIX e as primeiras três décadas do século XX correspondeu a um complexo de interações quotidianas entre indivíduos, no âmbito das quais estes constituíram e reconfiguraram continuamente os seus posicionamento no mundo social. As suas experiências não são contudo subsumíveis numa ideia de espetáculo, de mercado músico-teatral, ou de empresa teatral, havendo margem para a criatividade individual na relação com políticas institucionais inerentes a essas categorias e, por conseguinte, na definição do lugar de cada agente no sistema social. O principal objetivo deste estudo é, portanto, identificar e discutir políticas da história da música que tenham vindo a privilegiar determinados agentes do quotidiano desse terreno em detrimento de outros, mantidos num plano invisível.Trata-se então de uma investigação qualitativa, que será baseada em fontes documentais e orais, recolhidas respetivamente através de pesquisa em arquivos públicos e privados, e de entrevistas não-estruturadas. No que concerne às primeiras, refiro-me a múltiplos formatos de registo: documentos pessoais como, por exemplo, epistolografia, autobiografia, memórias ou iconografia íntima; documentos da administração estatal; documentos da administração e expediente privado; documentos de índole artística; bibliografia académica; publicações periódicas; e publicidade. Quanto às fontes orais, prevejo vir a recolher testemunhos de utentes da Casa do Artista e de agentes vinculados à atividade do Parque Mayer. A análise dos dados será baseada nas técnicas propostas por Gilbert e Mulkay (1984) e aprofundada atendendo aos três níveis sistematizados por Bryman (2012): a dimensão textual do discurso; o discurso com prática interativa; e o contexto em que é concretizado. Serão centrais a esta investigação os conceitos de “discurso” segundo Michel Foucault (1969), “art worlds” de Howard Becker (1982) e “musicking” por Christopher Small (1998), bem como os contributos de outros teóricos como Maurice Halbwachs, Pierre Bourdieu, Jean-François Sirinelli, William Weber, Mark Everist, Bruno Latour e Tia DeNora.

KW - Discurso

KW - Musicologia

KW - Quotidiano

KW - Opereta

KW - Lisboa

M3 - Other

ER -