Da corte para as assembleias e academias de Lisboa e Madrid: a dança como afirmação social e como actividade lúdica

Research output: Contribution to conferenceAbstract

Abstract

Ao longo do século XVIII, práticas musicais e coreográficas associadas à dança de corte transitam do âmbito da monarquia e da aristocracia para espaços como as academias, as assembleias e os salões domésticos. Trata-se de um fenómeno transversal na sociedade europeia, não obstante as variantes locais, que assume contornos específicos em cidades como Lisboa e Madrid. Nesse processo, a dança surge não só como prática de sociabilidade e divertimento lúdico, mas também como forma de distinção e afirmação social. Estas distintas esferas acabariam por se contaminar. Se por um lado, para brilhar num baile de uma assembleia continuava a ser essencial saber dançar o “Minueto da Corte”, por outro, danças de origem popular (em versões estilizadas) como o fandango e mesmo o Ludum começaram também a entrar nos salões das classes mais altas. Às diversas práticas culturais associava-se ainda o fenómeno da «moda», normalmente com origem no estrangeiro. Novas danças eram incorporadas no repertório ou passavam a assumir a primazia. É o caso do Cotillon que começa a ganhar terreno às Contradanças (ainda que estas subsistam até hoje sob diferentes formas) ou do Minueto que irá dar lugar à Valsa. Após uma breve contextualização acerca da dança como distinção social e como actividade lúdica em Lisboa e Madrid (a partir de exemplos extraídos de fontes literárias e documentais), será apresentada uma selecção de partituras usadas na aprendizagem e na prática da dança em Lisboa nos finais do séc. XVIII e inícios do séc. XIX, de forma a mostrar como algumas reminiscências do universo da corte se combinavam com novas tendências. Estas incluem breves peças muito simples usadas pelos mestres de dança, repertórios de vários compositores relacionados com as danças sociais e suportes menos habituais como o baralho de cartas de José do Espírito Santo Oliveira e outros similares, que também circularam na Península Ibérica.
Original languagePortuguese
Pages23
Number of pages1
Publication statusPublished - 13 Dec 2019
EventMúsica nas Cortes Ibéricas (séculos XVIII-XIX): Artes do Espectáculo e Representação de Poder - Palácio Nacional da Ajuda, Lisboa, Portugal
Duration: 12 Dec 201913 Dec 2019
Conference number: 2
http://www.inetmd.pt/index.php/conferenciaseventos/11981-seminario-internacional-musica-nas-cortes-ibericas-seculos-xviii-xix-2019

Seminar

SeminarMúsica nas Cortes Ibéricas (séculos XVIII-XIX)
CountryPortugal
CityLisboa
Period12/12/1913/12/19
Internet address

Cite this

Fernandes, C. (2019). Da corte para as assembleias e academias de Lisboa e Madrid: a dança como afirmação social e como actividade lúdica. 23. Abstract from Música nas Cortes Ibéricas (séculos XVIII-XIX), Lisboa, Portugal.