Corpos em trânsito: hibridismo, metamorfose e deformação

Research output: Contribution to journalArticlepeer-review

13 Downloads (Pure)

Abstract

Foi pela imposição de um violento adestramento a si própria, que a espécie humana se foi libertando, ao longo dos séculos, da sua natureza animal, seu pesadelo, sua face obscura. No entanto, o olhar interrogativo do homem sobre a sua animalidade latente ou refreada tem adquirido uma força renovada na literatura dos últimos anos. Pretende-se, pois, com este estudo indagar o modo como alguns autores contemporâneos se servem do corpo das suas personagens como veículo de expressão do insólito (re)encontro do humano com a sua intrínseca animalidade. Para tal, tomamos como corpus de análise os contos “Centauro” (in Objecto quase, 1978) de José Saramago e “Um casaco de raposa vermelha” (in A mulher que prendeu a chuva e outras histórias, 2007) de Teolinda Gersão, bem como uma das mais recentes obras de Gonçalo M. Tavares, intitulada animalescos (2013).
Original languagePortuguese
Pages (from-to)99-110
Number of pages11
JournalRedisco. Revista Eletrônica de Estudos do discurso e do corpo
Volume6
Issue number2
Publication statusPublished - 2014

Keywords

  • corpo
  • Animalidade
  • Hibridismo
  • Metamorfose
  • Deformação

Cite this