Contributos e limitações da informação estatística para o planeamento e gestão municipal. O exemplo do Inquérito de Caraterização da Habitação Social

Research output: Chapter in Book/Report/Conference proceedingChapter

Abstract

Desde os anos 1990 afirma-se na União Europeia uma política empenhada na regeneração das “áreas urbanas deprimidas”. O modelo social europeu prevê esquemas de proteção assentes em critérios de discricionariedade de pessoas, grupos e territórios: o princípio da reposição da igualdade de oportunidades legitima a discriminação positiva e contribui para uma política urbana que impõe ferramentas de base à decisão. Mas a implementação de políticas anti segregação continua a enfrentar obstáculos. O artigo analisa o Inquérito de Caraterização da Habitação Social (INE, 2009- 2011) relativamente ao modo de recolha, às variáveis e à desagregação territorial adotados, evidenciando o alcance e limitações dos retratos da habitação social extraíveis desta ferramenta estatística, e propondo ações para o aperfeiçoamento do programa de coleta e tratamento da informação oficial visando a política de “regeneração urbana” de “áreas deprimidas”.
Original languageUnknown
Title of host publicationIX Congresso da Geografia Portuguesa – Geografia: Espaço, Natureza, Sociedade e Ciência
EditorsTeresa Pinto Correia, Virgínia Henriques E Rui Pedro Julião
Place of PublicationLisboa
Publisher Associação Portuguesa de Geógrafos
Pages711-716
ISBN (Print)978-972-99436-6-9
Publication statusPublished - 1 Jan 2013

Publication series

NameGeografia: Espaço, Natureza, Sociedade e Ciência
PublisherAssociação Portuguesa de Geógrafos

Cite this