Conservação das muralhas de taipa militar do castelo de Paderne – uma história de intervenções

Translated title of the contribution: Conservation of "military" rammed earth walls of Paderne Castle - a history of interventions

Mafalda Cotrim, Paulina Faria, António Santos Silva

Research output: Chapter in Book/Report/Conference proceedingConference contribution

10 Downloads (Pure)

Abstract

O Castelo de Paderne, estrutura amuralhada de meados do século XII, foi construído com paredes essencialmente em taipa militar: terra húmida, estabilizada com cal aérea, compactada em camadas dentro de painéis de cofragem (taipais), executados sucessivamente. Adaptando-se às características do terreno, apresenta uma planta trapezoidal com uma torre Albarrã e uma entrada em cotovelo, características presentes noutras Fortalezas militares islâmicas da época. Exposto à intempérie e à ação humana ao longo dos anos, tem sido objeto de diversas intervenções sendo as mais recentes acompanhadas pelas entidades portuguesas responsáveis pelo património histórico – atualmente a DGPC e, em particular, a DRCAlgarve. Desde os anos 80 do século XX foram
realizadas intervenções em 1986, 2004/05, 2007 e 2017/18. Na intervenção de 1986 terá havido consolidação com silicato de etilo na torre Albarrã. Na intervenção de 2004/05 a base da muralha foi intervencionada com recurso a terra projetada para preenchimento de falta de espessura e foram feitos novos painéis de taipa para proteção de taipa degradada ou já inexistente nalgumas zonas da muralha. Na intervenção de 2007 realizou-se a estabilização dos cunhais Noroeste e Nordeste da muralha. Atualmente, a torre Albarrã encontra-se a ser intervencionada. As intervenções foram aquelas que os técnicos, à época, consideravam ser as mais apropriadas, mas que, com base nos critérios de conservação atuais, podem ser consideradas mais ou menos discutíveis, resultando inclusive de algumas delas problemas de durabilidade. O Castelo de Paderne é um dos casos de estudo incluído na base de dados de materiais de construção com valor histórico e patrimonial do projeto DB-Heritage, financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia. Neste artigo pretende-se “contar a história” das intervenções mais recentes realizadas no Castelo, com o objetivo
de, através do registo documental e físico dos materiais utilizados e da ação ocorrida com as intervenções passadas, contribuir para a melhor conservação deste e de outros monumentos semelhantes.
Original languagePortuguese
Title of host publicationAtas do Construção 2018: Reabilitar e Construir de forma Sustentável
Place of PublicationPorto
PublisherFEUP Edições
Pages1480-1489
Number of pages10
Publication statusPublished - Nov 2018
EventConstrução 2018 - Reabilitar e Construir de forma Sustentável - FEUP, Porto, Portugal
Duration: 21 Nov 201823 Nov 2018
https://web.fe.up.pt/~construcao2018/index.html

Conference

ConferenceConstrução 2018 - Reabilitar e Construir de forma Sustentável
CountryPortugal
CityPorto
Period21/11/1823/11/18
Internet address

Fingerprint

conservation
Military
history

Keywords

  • Taipa nova
  • Terra projetada
  • Degradação
  • Reconstrução
  • Monitorização

Cite this

Cotrim, M., Faria, P., & Silva, A. S. (2018). Conservação das muralhas de taipa militar do castelo de Paderne – uma história de intervenções. In Atas do Construção 2018: Reabilitar e Construir de forma Sustentável (pp. 1480-1489). Porto: FEUP Edições.
Cotrim, Mafalda ; Faria, Paulina ; Silva, António Santos. / Conservação das muralhas de taipa militar do castelo de Paderne – uma história de intervenções. Atas do Construção 2018: Reabilitar e Construir de forma Sustentável. Porto : FEUP Edições, 2018. pp. 1480-1489
@inproceedings{3553c78678af45898212848526643ec4,
title = "Conserva{\cc}{\~a}o das muralhas de taipa militar do castelo de Paderne – uma hist{\'o}ria de interven{\cc}{\~o}es",
abstract = "O Castelo de Paderne, estrutura amuralhada de meados do s{\'e}culo XII, foi constru{\'i}do com paredes essencialmente em taipa militar: terra h{\'u}mida, estabilizada com cal a{\'e}rea, compactada em camadas dentro de pain{\'e}is de cofragem (taipais), executados sucessivamente. Adaptando-se {\`a}s caracter{\'i}sticas do terreno, apresenta uma planta trapezoidal com uma torre Albarr{\~a} e uma entrada em cotovelo, caracter{\'i}sticas presentes noutras Fortalezas militares isl{\^a}micas da {\'e}poca. Exposto {\`a} intemp{\'e}rie e {\`a} a{\cc}{\~a}o humana ao longo dos anos, tem sido objeto de diversas interven{\cc}{\~o}es sendo as mais recentes acompanhadas pelas entidades portuguesas respons{\'a}veis pelo patrim{\'o}nio hist{\'o}rico – atualmente a DGPC e, em particular, a DRCAlgarve. Desde os anos 80 do s{\'e}culo XX foramrealizadas interven{\cc}{\~o}es em 1986, 2004/05, 2007 e 2017/18. Na interven{\cc}{\~a}o de 1986 ter{\'a} havido consolida{\cc}{\~a}o com silicato de etilo na torre Albarr{\~a}. Na interven{\cc}{\~a}o de 2004/05 a base da muralha foi intervencionada com recurso a terra projetada para preenchimento de falta de espessura e foram feitos novos pain{\'e}is de taipa para prote{\cc}{\~a}o de taipa degradada ou j{\'a} inexistente nalgumas zonas da muralha. Na interven{\cc}{\~a}o de 2007 realizou-se a estabiliza{\cc}{\~a}o dos cunhais Noroeste e Nordeste da muralha. Atualmente, a torre Albarr{\~a} encontra-se a ser intervencionada. As interven{\cc}{\~o}es foram aquelas que os t{\'e}cnicos, {\`a} {\'e}poca, consideravam ser as mais apropriadas, mas que, com base nos crit{\'e}rios de conserva{\cc}{\~a}o atuais, podem ser consideradas mais ou menos discut{\'i}veis, resultando inclusive de algumas delas problemas de durabilidade. O Castelo de Paderne {\'e} um dos casos de estudo inclu{\'i}do na base de dados de materiais de constru{\cc}{\~a}o com valor hist{\'o}rico e patrimonial do projeto DB-Heritage, financiado pela Funda{\cc}{\~a}o para a Ci{\^e}ncia e a Tecnologia. Neste artigo pretende-se “contar a hist{\'o}ria” das interven{\cc}{\~o}es mais recentes realizadas no Castelo, com o objetivode, atrav{\'e}s do registo documental e f{\'i}sico dos materiais utilizados e da a{\cc}{\~a}o ocorrida com as interven{\cc}{\~o}es passadas, contribuir para a melhor conserva{\cc}{\~a}o deste e de outros monumentos semelhantes.",
keywords = "Taipa nova, Terra projetada, Degrada{\cc}{\~a}o, Reconstru{\cc}{\~a}o, Monitoriza{\cc}{\~a}o",
author = "Mafalda Cotrim and Paulina Faria and Silva, {Ant{\'o}nio Santos}",
year = "2018",
month = "11",
language = "Portuguese",
pages = "1480--1489",
booktitle = "Atas do Constru{\cc}{\~a}o 2018: Reabilitar e Construir de forma Sustent{\'a}vel",
publisher = "FEUP Edições",

}

Cotrim, M, Faria, P & Silva, AS 2018, Conservação das muralhas de taipa militar do castelo de Paderne – uma história de intervenções. in Atas do Construção 2018: Reabilitar e Construir de forma Sustentável. FEUP Edições, Porto, pp. 1480-1489, Construção 2018 - Reabilitar e Construir de forma Sustentável, Porto, Portugal, 21/11/18.

Conservação das muralhas de taipa militar do castelo de Paderne – uma história de intervenções. / Cotrim, Mafalda; Faria, Paulina; Silva, António Santos.

Atas do Construção 2018: Reabilitar e Construir de forma Sustentável. Porto : FEUP Edições, 2018. p. 1480-1489.

Research output: Chapter in Book/Report/Conference proceedingConference contribution

TY - GEN

T1 - Conservação das muralhas de taipa militar do castelo de Paderne – uma história de intervenções

AU - Cotrim, Mafalda

AU - Faria, Paulina

AU - Silva, António Santos

PY - 2018/11

Y1 - 2018/11

N2 - O Castelo de Paderne, estrutura amuralhada de meados do século XII, foi construído com paredes essencialmente em taipa militar: terra húmida, estabilizada com cal aérea, compactada em camadas dentro de painéis de cofragem (taipais), executados sucessivamente. Adaptando-se às características do terreno, apresenta uma planta trapezoidal com uma torre Albarrã e uma entrada em cotovelo, características presentes noutras Fortalezas militares islâmicas da época. Exposto à intempérie e à ação humana ao longo dos anos, tem sido objeto de diversas intervenções sendo as mais recentes acompanhadas pelas entidades portuguesas responsáveis pelo património histórico – atualmente a DGPC e, em particular, a DRCAlgarve. Desde os anos 80 do século XX foramrealizadas intervenções em 1986, 2004/05, 2007 e 2017/18. Na intervenção de 1986 terá havido consolidação com silicato de etilo na torre Albarrã. Na intervenção de 2004/05 a base da muralha foi intervencionada com recurso a terra projetada para preenchimento de falta de espessura e foram feitos novos painéis de taipa para proteção de taipa degradada ou já inexistente nalgumas zonas da muralha. Na intervenção de 2007 realizou-se a estabilização dos cunhais Noroeste e Nordeste da muralha. Atualmente, a torre Albarrã encontra-se a ser intervencionada. As intervenções foram aquelas que os técnicos, à época, consideravam ser as mais apropriadas, mas que, com base nos critérios de conservação atuais, podem ser consideradas mais ou menos discutíveis, resultando inclusive de algumas delas problemas de durabilidade. O Castelo de Paderne é um dos casos de estudo incluído na base de dados de materiais de construção com valor histórico e patrimonial do projeto DB-Heritage, financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia. Neste artigo pretende-se “contar a história” das intervenções mais recentes realizadas no Castelo, com o objetivode, através do registo documental e físico dos materiais utilizados e da ação ocorrida com as intervenções passadas, contribuir para a melhor conservação deste e de outros monumentos semelhantes.

AB - O Castelo de Paderne, estrutura amuralhada de meados do século XII, foi construído com paredes essencialmente em taipa militar: terra húmida, estabilizada com cal aérea, compactada em camadas dentro de painéis de cofragem (taipais), executados sucessivamente. Adaptando-se às características do terreno, apresenta uma planta trapezoidal com uma torre Albarrã e uma entrada em cotovelo, características presentes noutras Fortalezas militares islâmicas da época. Exposto à intempérie e à ação humana ao longo dos anos, tem sido objeto de diversas intervenções sendo as mais recentes acompanhadas pelas entidades portuguesas responsáveis pelo património histórico – atualmente a DGPC e, em particular, a DRCAlgarve. Desde os anos 80 do século XX foramrealizadas intervenções em 1986, 2004/05, 2007 e 2017/18. Na intervenção de 1986 terá havido consolidação com silicato de etilo na torre Albarrã. Na intervenção de 2004/05 a base da muralha foi intervencionada com recurso a terra projetada para preenchimento de falta de espessura e foram feitos novos painéis de taipa para proteção de taipa degradada ou já inexistente nalgumas zonas da muralha. Na intervenção de 2007 realizou-se a estabilização dos cunhais Noroeste e Nordeste da muralha. Atualmente, a torre Albarrã encontra-se a ser intervencionada. As intervenções foram aquelas que os técnicos, à época, consideravam ser as mais apropriadas, mas que, com base nos critérios de conservação atuais, podem ser consideradas mais ou menos discutíveis, resultando inclusive de algumas delas problemas de durabilidade. O Castelo de Paderne é um dos casos de estudo incluído na base de dados de materiais de construção com valor histórico e patrimonial do projeto DB-Heritage, financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia. Neste artigo pretende-se “contar a história” das intervenções mais recentes realizadas no Castelo, com o objetivode, através do registo documental e físico dos materiais utilizados e da ação ocorrida com as intervenções passadas, contribuir para a melhor conservação deste e de outros monumentos semelhantes.

KW - Taipa nova

KW - Terra projetada

KW - Degradação

KW - Reconstrução

KW - Monitorização

UR - https://web.fe.up.pt/~construcao2018/atas/

M3 - Conference contribution

SP - 1480

EP - 1489

BT - Atas do Construção 2018: Reabilitar e Construir de forma Sustentável

PB - FEUP Edições

CY - Porto

ER -

Cotrim M, Faria P, Silva AS. Conservação das muralhas de taipa militar do castelo de Paderne – uma história de intervenções. In Atas do Construção 2018: Reabilitar e Construir de forma Sustentável. Porto: FEUP Edições. 2018. p. 1480-1489