Complexo ígneo de Sintra - um modelo de instalação constrangido por novos dados de gravimetria e ASM

Pedro Terrinha, Aitor Aranguren, Maria Carla Kullberg, E. Pueyo, J. C. Kullberg, A. M. Casas-Sainz, C. Rillo

Research output: Chapter in Book/Report/Conference proceedingConference contribution

310 Downloads (Pure)

Abstract

Um estudo gravimétrico realizado recentemente, mostra que o maciço de Sintra é um lacólito, com espessura máxima preservada de rocha ígnea, na região central, de cerca de 1 km. Estudos de Análise da Susceptibilidade Magnética realizados na mesma ocasião em 56 sítios de amostragem no interior do maciço ígneo, põem em evidência, no que respeita à intrusão granítica, uma foliação magmática com orientação irregular e uma lineação magnética k1 com uma direcção dominante NNE-SSW, consistente com um modelo de intrusão definido por uma zona de alimentação magmática com orientação WNW-ESE, em conformidade com o alinhamento dos mínimos gravimétricos no mapa de anomalias de Bouguer construído. A intrusão gabro-sienítica carece de padrão geométrico de ASM, salvo no contacto com o granito, onde é paralela ao mesmo O valor global da susceptibilidade magnética das rochas ígneas do maciço de Sintra varia significativamente entre as fácies gabróicas (K: 72080 x 10-6 S.I.), que afloram na região mais a oeste do maciço, e as fácies sieníticas e graníticas envolventes (K: 39 x 10-6 S.I.). A intrusão do lacólito de Sintra ocorreu no Cretácico superior e foi controlada por dois conjuntos de falhas: um, de orientação NNW-SSE/90º, profundo, controlando a ascenção magmática inicial através da litosfera mais profunda e apenas localmente rompendo á superfície e, outro, de orientação WNW-ESE, controlando a instalação final do maciço. Durante o Terciário (muito provavelmente o Miocénico) o maciço de Sintra foi exumado e atingiu a sua altitude actual, devido á formação de um cavalgamento, vergente para norte, com uma direcção E-W aproximada, observável no contacto norte das rochas ígneas do maciço de Sintra com as rochas do encaixante sedimentar. Estima-se em 2 km a movimentação total no plano de cavalgamento.
Original languagePortuguese
Title of host publicationVI Congresso Nacional de Geologia (Abstracts)
PublisherFaculdade de Ciências e Tecnologia da UNL
PagesD96-D100
Publication statusPublished - 2003
EventVI Congresso Nacional de Geologia - Caparica, Portugal
Duration: 4 Jun 20036 Jun 2003

Publication series

NameCiências da Terra (UNL)
PublisherFaculdade de Ciências e Tecnologia da UNL
NumberSI
VolumeV

Conference

ConferenceVI Congresso Nacional de Geologia
CountryPortugal
CityCaparica
Period4/06/036/06/03

Keywords

  • instalação de lacólitos
  • intrusão do maciço de Sintra
  • ASM
  • gravimetria
  • Cretácico superior

Cite this

Terrinha, P., Aranguren, A., Kullberg, M. C., Pueyo, E., Kullberg, J. C., Casas-Sainz, A. M., & Rillo, C. (2003). Complexo ígneo de Sintra - um modelo de instalação constrangido por novos dados de gravimetria e ASM. In VI Congresso Nacional de Geologia (Abstracts) (pp. D96-D100). (Ciências da Terra (UNL); Vol. V, No. SI). Faculdade de Ciências e Tecnologia da UNL.