Comércio e Serviços em Áreas Urbanas de Génese Ilegal: o caso da Quinta do Conde (Sesimbra – Portugal)

Research output: Contribution to journalArticle

Abstract

A construção feita sem autorização das Câmaras Municipais, a quem compete licenciar e controlar as obras realizadas por particulares, ocorreu em massa nas Áreas Metropolitanas de Lisboa e do Porto, na segunda metade do século XX. a sua natureza ilegal fez com que as boas práticas urbanísticas não fossem levadas em conta, originando problemas no espaço urbano e condicionando a sua organização e evolução. a Quinta do Conde (Sesimbra) foi uma Área Urbana de Génese Ilegal (AUGI), cujos primeiros loteamentos surgiram na década de 1960; entretanto, vários factores contribuíram para reforçar a sua atractividade, gerando intensas dinâmicas populacionais, construtivas e funcionais. Desde a sua génese, a oferta de comércio e de serviços registou profundas mutações, passando de um comércio predominantemente associado ao alimentar e à construção civil, comum a estruturação incipiente e de carácter familiar, para uma oferta mais diversificada de produtos, alguns deles com especialização, num ambiente urbano mais estruturado.
Original languagePortuguese
Pages (from-to)67-85
JournalFinisterra
VolumeXLIX
Issue number97
Publication statusPublished - 1 Jan 2014

Cite this