Comércio e Serviços em Áreas Urbanas de Génese Ilegal: o caso da Quinta do Conde (Sesimbra – Portugal)

Research output: Contribution to journalArticle

Abstract

A construção feita sem autorização das Câmaras Municipais, a quem compete licenciar e controlar as obras realizadas por particulares, ocorreu em massa nas Áreas Metropolitanas de Lisboa e do Porto, na segunda metade do século XX. a sua natureza ilegal fez com que as boas práticas urbanísticas não fossem levadas em conta, originando problemas no espaço urbano e condicionando a sua organização e evolução. a Quinta do Conde (Sesimbra) foi uma Área Urbana de Génese Ilegal (AUGI), cujos primeiros loteamentos surgiram na década de 1960; entretanto, vários factores contribuíram para reforçar a sua atractividade, gerando intensas dinâmicas populacionais, construtivas e funcionais. Desde a sua génese, a oferta de comércio e de serviços registou profundas mutações, passando de um comércio predominantemente associado ao alimentar e à construção civil, comum a estruturação incipiente e de carácter familiar, para uma oferta mais diversificada de produtos, alguns deles com especialização, num ambiente urbano mais estruturado.
Original languagePortuguese
Pages (from-to)67-85
JournalFinisterra
VolumeXLIX
Issue number97
Publication statusPublished - 1 Jan 2014

Keywords

    Cite this

    @article{d609152a90f248d0955b7a3d72887ae3,
    title = "Com{\'e}rcio e Servi{\cc}os em {\'A}reas Urbanas de G{\'e}nese Ilegal: o caso da Quinta do Conde (Sesimbra – Portugal)",
    abstract = "A constru{\cc}{\~a}o feita sem autoriza{\cc}{\~a}o das C{\^a}maras Municipais, a quem compete licenciar e controlar as obras realizadas por particulares, ocorreu em massa nas {\'A}reas Metropolitanas de Lisboa e do Porto, na segunda metade do s{\'e}culo XX. a sua natureza ilegal fez com que as boas pr{\'a}ticas urban{\'i}sticas n{\~a}o fossem levadas em conta, originando problemas no espa{\cc}o urbano e condicionando a sua organiza{\cc}{\~a}o e evolu{\cc}{\~a}o. a Quinta do Conde (Sesimbra) foi uma {\'A}rea Urbana de G{\'e}nese Ilegal (AUGI), cujos primeiros loteamentos surgiram na d{\'e}cada de 1960; entretanto, v{\'a}rios factores contribu{\'i}ram para refor{\cc}ar a sua atractividade, gerando intensas din{\^a}micas populacionais, construtivas e funcionais. Desde a sua g{\'e}nese, a oferta de com{\'e}rcio e de servi{\cc}os registou profundas muta{\cc}{\~o}es, passando de um com{\'e}rcio predominantemente associado ao alimentar e {\`a} constru{\cc}{\~a}o civil, comum a estrutura{\cc}{\~a}o incipiente e de car{\'a}cter familiar, para uma oferta mais diversificada de produtos, alguns deles com especializa{\cc}{\~a}o, num ambiente urbano mais estruturado.",
    keywords = "{\'A}reas Urbanas de g{\'e}nese ilegal, com{\'e}rcio, suburbaniza{\cc}{\~a}o, quinta do Conde (sesimbra), servi{\cc}os, Portugal.",
    author = "Ricardo Tom{\'e}",
    note = "Bases de Dados de Indexa{\cc}{\~a}o: CAPES; DOAJ; Dialnet; Ebsco; Latindex; SciELO; SCOPUS. | http://revistas.rcaap.pt/finisterra/article/view/4196/3115",
    year = "2014",
    month = "1",
    day = "1",
    language = "Portuguese",
    volume = "XLIX",
    pages = "67--85",
    journal = "Finisterra",
    issn = "0430-5027",
    publisher = "Centro de Estudos Geogr�ficos, University of Lisbon",
    number = "97",

    }

    Comércio e Serviços em Áreas Urbanas de Génese Ilegal: o caso da Quinta do Conde (Sesimbra – Portugal). / Tomé, Ricardo.

    In: Finisterra, Vol. XLIX, No. 97, 01.01.2014, p. 67-85.

    Research output: Contribution to journalArticle

    TY - JOUR

    T1 - Comércio e Serviços em Áreas Urbanas de Génese Ilegal: o caso da Quinta do Conde (Sesimbra – Portugal)

    AU - Tomé, Ricardo

    N1 - Bases de Dados de Indexação: CAPES; DOAJ; Dialnet; Ebsco; Latindex; SciELO; SCOPUS. | http://revistas.rcaap.pt/finisterra/article/view/4196/3115

    PY - 2014/1/1

    Y1 - 2014/1/1

    N2 - A construção feita sem autorização das Câmaras Municipais, a quem compete licenciar e controlar as obras realizadas por particulares, ocorreu em massa nas Áreas Metropolitanas de Lisboa e do Porto, na segunda metade do século XX. a sua natureza ilegal fez com que as boas práticas urbanísticas não fossem levadas em conta, originando problemas no espaço urbano e condicionando a sua organização e evolução. a Quinta do Conde (Sesimbra) foi uma Área Urbana de Génese Ilegal (AUGI), cujos primeiros loteamentos surgiram na década de 1960; entretanto, vários factores contribuíram para reforçar a sua atractividade, gerando intensas dinâmicas populacionais, construtivas e funcionais. Desde a sua génese, a oferta de comércio e de serviços registou profundas mutações, passando de um comércio predominantemente associado ao alimentar e à construção civil, comum a estruturação incipiente e de carácter familiar, para uma oferta mais diversificada de produtos, alguns deles com especialização, num ambiente urbano mais estruturado.

    AB - A construção feita sem autorização das Câmaras Municipais, a quem compete licenciar e controlar as obras realizadas por particulares, ocorreu em massa nas Áreas Metropolitanas de Lisboa e do Porto, na segunda metade do século XX. a sua natureza ilegal fez com que as boas práticas urbanísticas não fossem levadas em conta, originando problemas no espaço urbano e condicionando a sua organização e evolução. a Quinta do Conde (Sesimbra) foi uma Área Urbana de Génese Ilegal (AUGI), cujos primeiros loteamentos surgiram na década de 1960; entretanto, vários factores contribuíram para reforçar a sua atractividade, gerando intensas dinâmicas populacionais, construtivas e funcionais. Desde a sua génese, a oferta de comércio e de serviços registou profundas mutações, passando de um comércio predominantemente associado ao alimentar e à construção civil, comum a estruturação incipiente e de carácter familiar, para uma oferta mais diversificada de produtos, alguns deles com especialização, num ambiente urbano mais estruturado.

    KW - Áreas Urbanas de génese ilegal

    KW - comércio

    KW - suburbanização

    KW - quinta do Conde (sesimbra)

    KW - serviços

    KW - Portugal.

    M3 - Article

    VL - XLIX

    SP - 67

    EP - 85

    JO - Finisterra

    JF - Finisterra

    SN - 0430-5027

    IS - 97

    ER -