Ciberformance: a performance em ambientes e mundos virtuais

Research output: Book/ReportBook

Abstract

Nesta investigação tentamos contribuir para um enquadramento teórico da ciberformance, a performance que acontece em plataformas, ambientes e mundos virtuais e que se caracteriza por ser ao vivo, mediada, intermedial, multimodal, híbrida, liminar, colaborativa e interventiva estética e socialmente, sendo low cost e usando tecnologia livre e acessível. Há duas décadas que acções performáticas se desenvolvem através da Internet, ligando utilizadores e públicos distribuídos geograficamente. Fóruns e ambientes textuais de jogo foram os primeiros espaços usados por ciberformers tendo estes, mais tarde, apropriado ambientes gráficos e mundos virtuais online. Na primeira parte deste estudo investigamos o lugar da ciberformance e os aspectos do habitar o virtual que se afiguram importantes para entender o processo criativo deste género artístico. O carácter aberto livre e comunitário de plataformas e mundos virtuais cria lugares que estão para lá da simulação, proporcionando uma ampliação do virtualmente humano que favorece a prática da ciberformance. Esta implica uma actividade que se desenvolve através de interfaces visíveis e que possibilita a compreensão desses espaços não como imersivos mas sim como ampliações hipermediadas. Uma passagem pela relação histórica entre a performance e a tecnologia permite-nos sediar a genealogia da ciberformance nos movimentos vanguardistas do século XX. Com base na nossa própria prática artística nos contextos referidos e em recente produção académica sobre a performance digital criámos um enquadramento que visa possibilitar uma melhor definição e compreensão deste emergente género artístico. A análise da forma, conteúdo e processo criativo de algumas performances específicas, conduziu-nos a uma tipologia operativa que apenas existe na intersecção dos seus tipos. Estes são definidos pelo seu desenvolvimento através da palavra, através da construção de código e através do corpo em interface com a tecnologia. Procuramos aqui abrir caminho
Original languagePortuguese
Place of PublicationLisboa
PublisherLeya
ISBN (Print)978-989-98796-1-4
Publication statusPublished - 2015

Publication series

NameColecção Estudos em Comunicação, Número 1. CECL

Keywords

  • Ciberformance
  • performance
  • mundos virtuais

Cite this

Gomes, C. (2015). Ciberformance: a performance em ambientes e mundos virtuais. (Colecção Estudos em Comunicação, Número 1. CECL). Lisboa: Leya.
Gomes, Clara. / Ciberformance : a performance em ambientes e mundos virtuais. Lisboa : Leya, 2015. (Colecção Estudos em Comunicação, Número 1. CECL).
@book{5fa061b40867456fbbd511e35527eb6d,
title = "Ciberformance: a performance em ambientes e mundos virtuais",
abstract = "Nesta investiga{\cc}{\~a}o tentamos contribuir para um enquadramento te{\'o}rico da ciberformance, a performance que acontece em plataformas, ambientes e mundos virtuais e que se caracteriza por ser ao vivo, mediada, intermedial, multimodal, h{\'i}brida, liminar, colaborativa e interventiva est{\'e}tica e socialmente, sendo low cost e usando tecnologia livre e acess{\'i}vel. H{\'a} duas d{\'e}cadas que ac{\cc}{\~o}es perform{\'a}ticas se desenvolvem atrav{\'e}s da Internet, ligando utilizadores e p{\'u}blicos distribu{\'i}dos geograficamente. F{\'o}runs e ambientes textuais de jogo foram os primeiros espa{\cc}os usados por ciberformers tendo estes, mais tarde, apropriado ambientes gr{\'a}ficos e mundos virtuais online. Na primeira parte deste estudo investigamos o lugar da ciberformance e os aspectos do habitar o virtual que se afiguram importantes para entender o processo criativo deste g{\'e}nero art{\'i}stico. O car{\'a}cter aberto livre e comunit{\'a}rio de plataformas e mundos virtuais cria lugares que est{\~a}o para l{\'a} da simula{\cc}{\~a}o, proporcionando uma amplia{\cc}{\~a}o do virtualmente humano que favorece a pr{\'a}tica da ciberformance. Esta implica uma actividade que se desenvolve atrav{\'e}s de interfaces vis{\'i}veis e que possibilita a compreens{\~a}o desses espa{\cc}os n{\~a}o como imersivos mas sim como amplia{\cc}{\~o}es hipermediadas. Uma passagem pela rela{\cc}{\~a}o hist{\'o}rica entre a performance e a tecnologia permite-nos sediar a genealogia da ciberformance nos movimentos vanguardistas do s{\'e}culo XX. Com base na nossa pr{\'o}pria pr{\'a}tica art{\'i}stica nos contextos referidos e em recente produ{\cc}{\~a}o acad{\'e}mica sobre a performance digital cri{\'a}mos um enquadramento que visa possibilitar uma melhor defini{\cc}{\~a}o e compreens{\~a}o deste emergente g{\'e}nero art{\'i}stico. A an{\'a}lise da forma, conte{\'u}do e processo criativo de algumas performances espec{\'i}ficas, conduziu-nos a uma tipologia operativa que apenas existe na intersec{\cc}{\~a}o dos seus tipos. Estes s{\~a}o definidos pelo seu desenvolvimento atrav{\'e}s da palavra, atrav{\'e}s da constru{\cc}{\~a}o de c{\'o}digo e atrav{\'e}s do corpo em interface com a tecnologia. Procuramos aqui abrir caminho",
keywords = "Ciberformance, performance, mundos virtuais",
author = "Clara Gomes",
note = "UID/CCI/04667/2016",
year = "2015",
language = "Portuguese",
isbn = "978-989-98796-1-4",
series = "Colec{\cc}{\~a}o Estudos em Comunica{\cc}{\~a}o, N{\'u}mero 1. CECL",
publisher = "Leya",

}

Gomes, C 2015, Ciberformance: a performance em ambientes e mundos virtuais. Colecção Estudos em Comunicação, Número 1. CECL, Leya, Lisboa.

Ciberformance : a performance em ambientes e mundos virtuais. / Gomes, Clara.

Lisboa : Leya, 2015. (Colecção Estudos em Comunicação, Número 1. CECL).

Research output: Book/ReportBook

TY - BOOK

T1 - Ciberformance

T2 - a performance em ambientes e mundos virtuais

AU - Gomes, Clara

N1 - UID/CCI/04667/2016

PY - 2015

Y1 - 2015

N2 - Nesta investigação tentamos contribuir para um enquadramento teórico da ciberformance, a performance que acontece em plataformas, ambientes e mundos virtuais e que se caracteriza por ser ao vivo, mediada, intermedial, multimodal, híbrida, liminar, colaborativa e interventiva estética e socialmente, sendo low cost e usando tecnologia livre e acessível. Há duas décadas que acções performáticas se desenvolvem através da Internet, ligando utilizadores e públicos distribuídos geograficamente. Fóruns e ambientes textuais de jogo foram os primeiros espaços usados por ciberformers tendo estes, mais tarde, apropriado ambientes gráficos e mundos virtuais online. Na primeira parte deste estudo investigamos o lugar da ciberformance e os aspectos do habitar o virtual que se afiguram importantes para entender o processo criativo deste género artístico. O carácter aberto livre e comunitário de plataformas e mundos virtuais cria lugares que estão para lá da simulação, proporcionando uma ampliação do virtualmente humano que favorece a prática da ciberformance. Esta implica uma actividade que se desenvolve através de interfaces visíveis e que possibilita a compreensão desses espaços não como imersivos mas sim como ampliações hipermediadas. Uma passagem pela relação histórica entre a performance e a tecnologia permite-nos sediar a genealogia da ciberformance nos movimentos vanguardistas do século XX. Com base na nossa própria prática artística nos contextos referidos e em recente produção académica sobre a performance digital criámos um enquadramento que visa possibilitar uma melhor definição e compreensão deste emergente género artístico. A análise da forma, conteúdo e processo criativo de algumas performances específicas, conduziu-nos a uma tipologia operativa que apenas existe na intersecção dos seus tipos. Estes são definidos pelo seu desenvolvimento através da palavra, através da construção de código e através do corpo em interface com a tecnologia. Procuramos aqui abrir caminho

AB - Nesta investigação tentamos contribuir para um enquadramento teórico da ciberformance, a performance que acontece em plataformas, ambientes e mundos virtuais e que se caracteriza por ser ao vivo, mediada, intermedial, multimodal, híbrida, liminar, colaborativa e interventiva estética e socialmente, sendo low cost e usando tecnologia livre e acessível. Há duas décadas que acções performáticas se desenvolvem através da Internet, ligando utilizadores e públicos distribuídos geograficamente. Fóruns e ambientes textuais de jogo foram os primeiros espaços usados por ciberformers tendo estes, mais tarde, apropriado ambientes gráficos e mundos virtuais online. Na primeira parte deste estudo investigamos o lugar da ciberformance e os aspectos do habitar o virtual que se afiguram importantes para entender o processo criativo deste género artístico. O carácter aberto livre e comunitário de plataformas e mundos virtuais cria lugares que estão para lá da simulação, proporcionando uma ampliação do virtualmente humano que favorece a prática da ciberformance. Esta implica uma actividade que se desenvolve através de interfaces visíveis e que possibilita a compreensão desses espaços não como imersivos mas sim como ampliações hipermediadas. Uma passagem pela relação histórica entre a performance e a tecnologia permite-nos sediar a genealogia da ciberformance nos movimentos vanguardistas do século XX. Com base na nossa própria prática artística nos contextos referidos e em recente produção académica sobre a performance digital criámos um enquadramento que visa possibilitar uma melhor definição e compreensão deste emergente género artístico. A análise da forma, conteúdo e processo criativo de algumas performances específicas, conduziu-nos a uma tipologia operativa que apenas existe na intersecção dos seus tipos. Estes são definidos pelo seu desenvolvimento através da palavra, através da construção de código e através do corpo em interface com a tecnologia. Procuramos aqui abrir caminho

KW - Ciberformance

KW - performance

KW - mundos virtuais

M3 - Book

SN - 978-989-98796-1-4

T3 - Colecção Estudos em Comunicação, Número 1. CECL

BT - Ciberformance

PB - Leya

CY - Lisboa

ER -

Gomes C. Ciberformance: a performance em ambientes e mundos virtuais. Lisboa: Leya, 2015. (Colecção Estudos em Comunicação, Número 1. CECL).