As revistas durante a Ditadura Militar (1926-1933) e o Estado Novo (1933-1974)

Carla Rodrigues Cardoso, Celiana Azevedo

Research output: Chapter in Book/Report/Conference proceedingChapterpeer-review

4 Downloads (Pure)

Abstract

Durante o século XX, Portugal viveu 48 anos sem liberdade de expressão. Primeiro de 1926 a 1933, fruto do Golpe Militar que encerrou a I República e iniciou um período de ditadura, depois com a instauração do Estado Novo, que se prolongou de 1933 a 1974, até à Revolução do 25 de Abril, primeiro passo rumo à Democracia. É, por isso, sem surpresas, que se registam apenas quatro novas revistas de informação geral neste interregno não democrático, todas elas nascidas já durante o Estado Novo. O jornalismo livre era inexistente, devido à censura estatal da imprensa, o que tornava a profissão de jornalista pouco atrativa e o negócio dos media privados subdesenvolvido por falta de incentivos. Apesar da parcimónia de títulos, três dos quatro que se registam pautam-se por uma longa história que se prolongou pelos primeiros anos pós-Revolução 25 de Abril: O Século Ilustrado (1938-1977), Flama (1944-1976) e Vida Mundial (1967-1977)1. O quarto título, a revista Observador (1971-1974) é o único título que nasce e morre durante o Estado Novo, sucumbindo dois meses antes da revolução de 1974. O período histórico em análise neste capítulo, apesar de todos os condicionantes e de incluir apenas quatro revistas, é de profunda transformação na história da revista de informação geral em Portugal. O Século Ilustrado e a Flama são os dois últimos grandes títulos de revistas semanais ilustradas, formato iniciado no final do século XIX, ainda durante a Monarquia (Cf. 1.4). Por outro lado, é também durante o Estado Novo que surgem os títulos precursores da revista semanal de informação geral moderna (também designada por newsmagazine), na senda do modelo iniciado com a Time nos Estados Unidos. Assim, a Vida Mundial nasce do jornal homónimo em 1967, acompanhando uma tendência da imprensa europeia da época, enquanto a Observador se configura como a primeira newsmagazine portuguesa criada de raiz em 1971.

During the 20th century, Portugal lived without freedom of speech for 48 years. First, from 1926 to 1933, as a result of the Military Coup which brought the 1st Republic to an end and brought on a period of dictatorship; then with the establishment of the Estado Novo, which would last from 1933 to 1974, until the 25 April Revolution, the first step towards democracy. It is, thus, without surprise that only four new general-interest magazines can be
identified in this non-democratic interregnum, all of which already founded during the Estado Novo. Free journalism was inexistent due to the state censorship of the press, which rendered the profession of journalist unattractive and stifled the private media business due to lack of incentives. Despite the scarcity of publications, three of the four were characterised by a long history, which included the first years after the 25 April Revolution: O Século Ilustrado (1938-1977), Flama (1944-1976) and Vida Mundial (1967-1977)3 .The fourth publication, Observador (1971-
1974) is the only magazine that was founded and came to an end during the Estado Novo, succumbing two months
before the 1974 revolution. Despite all constraints and only comprehending four magazines, the period under
analysis in this chapter is one of deep transformation in the history of general-interest magazines in Portugal. O
Século Ilustrado and Flama are the two last great weekly illustrated magazines, a format that started in the early
19th century, still during the Monarchy (see 1.4). Moreover, it is also during the Estado Novo that the forerunners of
the modern weekly general-interest magazine (also known as newsmagazine4 ) would emerge, in the wake of the
model began with Time in the United States. Thus, Vida Mundial derived from the newspaper of the same name in
1967, following a trend of the European press at the time, while Observador can be considered the first Portuguese
newsmagazine created from scratch in 1971.
Original languagePortuguese
Title of host publicationPara uma história das revistas de informação geral em Portugal
EditorsCarla Rodrigues Cardoso, Celiana Azevedo, Jorge Pedro Sousa
PublisherICNOVA – Instituto de Comunicação da Nova
Chapter3
Pages215-334
Number of pages120
ISBN (Electronic)978-989-9048-27-0
ISBN (Print)978-989-9048-26-3
Publication statusPublished - 2022

Keywords

  • História da imprensa
  • História das revistas
  • Portugal
  • Ditadura Militar
  • Estado Novo
  • History of the press
  • History of magazines
  • Military Dictatorship

Cite this