As ânforas romanas da nova sede da EDP (Lisboa)

Research output: Chapter in Book/Report/Conference proceedingChapter

63 Downloads (Pure)

Abstract

O desenvolvimento do projecto da sede da EDP na zona do aterro oitocentista da Boavista, em Lisboa, foi acompanhado por uma intervenção arqueológica preventiva extensa, da responsabilidade da ERA Arqueologia, S.A.. O local revelou testemunhos da actividade portuária de Lisboa nos períodos da Expansão Ultramarina e Contemporâneo. Todavia, a intervenção proporcionou também a identificação de evidências de uma utilização mais remota do espaço fluvial, remontando à Época Romana. O conjunto de materiais datados do período romano é composto quase em exclusivo por fragmentos anfóricos, recolhidos nos níveis lodosos equivalentes ao fundo estuarino, de permeio com artefactos ulteriores. Contudo, o estado de conservação da maioria das espécies, onde alguns mostram apreciável estado de conservação, remetem para outro tipo de fenómenos originários das formações estratigráficas, conectados com a actividade portuária de Olisipo. A diversidade de tipos de ânfora presentes compreende morfologias lusitanas, béticas, itálicas e africanas, abarcando uma diversidade de cronologias e conteúdos associados, constituindo um contributo para o conhecimento da dinâmica comercial romana olisiponense e das conexões respectivas então estabelecidas entre a foz do Tejo e o trânsito de mercadorias entre o Atlântico e o Mediterrâneo.

The development works on the headquarters of EDP (Portuguese Electricity Company), located in Lisbon’s riverfront area filled in the 19th century, was object of archaeological preventive works by ERA Arqueologia, S.A. The site revealed relevant evidence for town’s harbour activities in the Age of Overseas Portuguese Empire and later, but also some scarce evidence related to previous uses of space, dated from Roman period. The assemblage of Roman pottery was formed, almost exclusively, by amphora sherds, collected in the muddy levels equivalent to former river Tagus bed, together with much later artefacts. In spite of this stratigraphy position, dated well after Roman Period, the presence of most of the Roman pottery is explainable through other formation processes related to harbour activities of the Roman town of Olisipo. Different amphora types are present, including Lusitanian, Baetican, Italic and African morphologies, enclosing diverse chronologies and contents related, the set forming a contribution to readings on commercial dynamics at stake in Lisbon between late 2nd c. BC to 4/5th c. AD, and to the role of the Tagus river mouth region involvement in sea fare traffic between the Atlantic and the Mediterranean.
Original languagePortuguese
Title of host publicationArqueologia em Portugal
Subtitle of host publication2017 — Estado da questão
Place of PublicationLisboa
PublisherAssociação dos Arqueólogos Portugueses
Pages1305-1315
Number of pages10
ISBN (Print)978-972-9451-71-3
Publication statusPublished - 2017

Keywords

  • Olisipo-Lisboa
  • Arqueologia Romana
  • ânforas
  • Porto de Lisboa
  • Arqueologia marítima
  • Amphorae
  • Lisbon's harbor
  • Maritime Archaeology

Cite this