Argamassas de reboco com cal aérea, terra e fibras naturais. Avaliação da suscetibilidade à contaminação biológica

Research output: Chapter in Book/Report/Conference proceedingConference contribution

Abstract

Os rebocos constituem principalmente a proteção exterior e interior de elementos de alvenaria. Podem ser eles próprios protegidos por sistemas de pintura ou ficarem diretamente expostos. São constituídos por sistemas em que são aplicadas camadas sucessivas de argamassa. As argamassas são por sua vez constituídas por ligantes e agregados e, eventualmente, adições e adjuvantes. Geralmente constituem camadas de espessura relativamente pequena (da ordem dos 2 cm) mas podem ser aplicados em espessuras superiores, nomeadamente quando se pretendem maiores contributos de isolamento térmico. Para melhorar o seu comportamento, as argamassas para reboco podem ser aditivadas através da utilização de fibras naturais. A ecoeficiência desta prática deve-se à eventual otimização de características conseguida mas também devido ao facto dessas fibras poderem ser resultantes de resíduos, tais como casca ou palha de cereais, refugo de lã, penas ou crinas, entre outros. No entanto, particularmente a utilização deste tipo de adições de materiais orgânicos naturais pode apresentar problemas ao nível da suscetibilidade ao desenvolvimento de bolores e outros fungos, que podem colocar em causa a durabilidade das argamassas. Em tempos foram muito utilizadas argamassas mistas de cal aérea e terra. No entanto a sua aplicação caiu em desuso e o conhecimento deste produto é muito reduzido comparativamente, por exemplo, a argamassas apenas de cal aérea. Pretende-se neste artigo avaliar a suscetibilidade ao desenvolvimento biológico de argamassas de cal aérea, terra e fibras naturais para rebocos. Para tal, é caracterizada uma argamassa só de cal aérea, outra argamassa da qual 25% da massa de cal foi substituída por massa equivalente de terra argilosa e três argamassas também com 25% de terra mas com adição de diferentes percentagens de fibras naturais, nomeadamente de casca de arroz, crina de cavalo e resíduo de lã de ovelha. A caracterização das argamassas é apresentada em termos de consistência no estado fresco, massa volúmica, resistências mecânicas e porosidade aberta, e comparada com a respetiva suscetibilidade ao desenvolvimento biológico de um dos agentes mais típicos de degradação, no caso o bolor Aspergillus niger. Considerando as condições de ensaio utilizadas, verificou-se que o desenvolvimento deste bolor na superfície das argamassas é relativamente limitado embora a adição de fibras naturais possa levar a um aumento dos níveis de contaminação.
Original languageUnknown
Title of host publicationSimpósio de Argamassas e Soluções Térmicas de Revestimento
Pagescd
Publication statusPublished - 1 Jan 2014
EventArgamassas 2014 - I Simpósio de Argamassas e Soluções Térmicas de Revestimento -
Duration: 1 Jan 2014 → …

Conference

ConferenceArgamassas 2014 - I Simpósio de Argamassas e Soluções Térmicas de Revestimento
Period1/01/14 → …

Cite this

@inproceedings{96972e82cf3f4b83b0e3947bd41c1efe,
title = "Argamassas de reboco com cal a{\'e}rea, terra e fibras naturais. Avalia{\cc}{\~a}o da suscetibilidade {\`a} contamina{\cc}{\~a}o biol{\'o}gica",
abstract = "Os rebocos constituem principalmente a prote{\cc}{\~a}o exterior e interior de elementos de alvenaria. Podem ser eles pr{\'o}prios protegidos por sistemas de pintura ou ficarem diretamente expostos. S{\~a}o constitu{\'i}dos por sistemas em que s{\~a}o aplicadas camadas sucessivas de argamassa. As argamassas s{\~a}o por sua vez constitu{\'i}das por ligantes e agregados e, eventualmente, adi{\cc}{\~o}es e adjuvantes. Geralmente constituem camadas de espessura relativamente pequena (da ordem dos 2 cm) mas podem ser aplicados em espessuras superiores, nomeadamente quando se pretendem maiores contributos de isolamento t{\'e}rmico. Para melhorar o seu comportamento, as argamassas para reboco podem ser aditivadas atrav{\'e}s da utiliza{\cc}{\~a}o de fibras naturais. A ecoefici{\^e}ncia desta pr{\'a}tica deve-se {\`a} eventual otimiza{\cc}{\~a}o de caracter{\'i}sticas conseguida mas tamb{\'e}m devido ao facto dessas fibras poderem ser resultantes de res{\'i}duos, tais como casca ou palha de cereais, refugo de l{\~a}, penas ou crinas, entre outros. No entanto, particularmente a utiliza{\cc}{\~a}o deste tipo de adi{\cc}{\~o}es de materiais org{\^a}nicos naturais pode apresentar problemas ao n{\'i}vel da suscetibilidade ao desenvolvimento de bolores e outros fungos, que podem colocar em causa a durabilidade das argamassas. Em tempos foram muito utilizadas argamassas mistas de cal a{\'e}rea e terra. No entanto a sua aplica{\cc}{\~a}o caiu em desuso e o conhecimento deste produto {\'e} muito reduzido comparativamente, por exemplo, a argamassas apenas de cal a{\'e}rea. Pretende-se neste artigo avaliar a suscetibilidade ao desenvolvimento biol{\'o}gico de argamassas de cal a{\'e}rea, terra e fibras naturais para rebocos. Para tal, {\'e} caracterizada uma argamassa s{\'o} de cal a{\'e}rea, outra argamassa da qual 25{\%} da massa de cal foi substitu{\'i}da por massa equivalente de terra argilosa e tr{\^e}s argamassas tamb{\'e}m com 25{\%} de terra mas com adi{\cc}{\~a}o de diferentes percentagens de fibras naturais, nomeadamente de casca de arroz, crina de cavalo e res{\'i}duo de l{\~a} de ovelha. A caracteriza{\cc}{\~a}o das argamassas {\'e} apresentada em termos de consist{\^e}ncia no estado fresco, massa vol{\'u}mica, resist{\^e}ncias mec{\^a}nicas e porosidade aberta, e comparada com a respetiva suscetibilidade ao desenvolvimento biol{\'o}gico de um dos agentes mais t{\'i}picos de degrada{\cc}{\~a}o, no caso o bolor Aspergillus niger. Considerando as condi{\cc}{\~o}es de ensaio utilizadas, verificou-se que o desenvolvimento deste bolor na superf{\'i}cie das argamassas {\'e} relativamente limitado embora a adi{\cc}{\~a}o de fibras naturais possa levar a um aumento dos n{\'i}veis de contamina{\cc}{\~a}o.",
keywords = "Cal a{\'e}rea, Reboco, Argamassa, Deteriora{\cc}{\~a}o por fungo, Terra, Fibra natural",
author = "Paulina Faria",
year = "2014",
month = "1",
day = "1",
language = "Unknown",
pages = "cd",
booktitle = "Simp{\'o}sio de Argamassas e Solu{\cc}{\~o}es T{\'e}rmicas de Revestimento",

}

Faria, P 2014, Argamassas de reboco com cal aérea, terra e fibras naturais. Avaliação da suscetibilidade à contaminação biológica. in Simpósio de Argamassas e Soluções Térmicas de Revestimento. pp. cd, Argamassas 2014 - I Simpósio de Argamassas e Soluções Térmicas de Revestimento, 1/01/14.

Argamassas de reboco com cal aérea, terra e fibras naturais. Avaliação da suscetibilidade à contaminação biológica. / Faria, Paulina.

Simpósio de Argamassas e Soluções Térmicas de Revestimento. 2014. p. cd.

Research output: Chapter in Book/Report/Conference proceedingConference contribution

TY - GEN

T1 - Argamassas de reboco com cal aérea, terra e fibras naturais. Avaliação da suscetibilidade à contaminação biológica

AU - Faria, Paulina

PY - 2014/1/1

Y1 - 2014/1/1

N2 - Os rebocos constituem principalmente a proteção exterior e interior de elementos de alvenaria. Podem ser eles próprios protegidos por sistemas de pintura ou ficarem diretamente expostos. São constituídos por sistemas em que são aplicadas camadas sucessivas de argamassa. As argamassas são por sua vez constituídas por ligantes e agregados e, eventualmente, adições e adjuvantes. Geralmente constituem camadas de espessura relativamente pequena (da ordem dos 2 cm) mas podem ser aplicados em espessuras superiores, nomeadamente quando se pretendem maiores contributos de isolamento térmico. Para melhorar o seu comportamento, as argamassas para reboco podem ser aditivadas através da utilização de fibras naturais. A ecoeficiência desta prática deve-se à eventual otimização de características conseguida mas também devido ao facto dessas fibras poderem ser resultantes de resíduos, tais como casca ou palha de cereais, refugo de lã, penas ou crinas, entre outros. No entanto, particularmente a utilização deste tipo de adições de materiais orgânicos naturais pode apresentar problemas ao nível da suscetibilidade ao desenvolvimento de bolores e outros fungos, que podem colocar em causa a durabilidade das argamassas. Em tempos foram muito utilizadas argamassas mistas de cal aérea e terra. No entanto a sua aplicação caiu em desuso e o conhecimento deste produto é muito reduzido comparativamente, por exemplo, a argamassas apenas de cal aérea. Pretende-se neste artigo avaliar a suscetibilidade ao desenvolvimento biológico de argamassas de cal aérea, terra e fibras naturais para rebocos. Para tal, é caracterizada uma argamassa só de cal aérea, outra argamassa da qual 25% da massa de cal foi substituída por massa equivalente de terra argilosa e três argamassas também com 25% de terra mas com adição de diferentes percentagens de fibras naturais, nomeadamente de casca de arroz, crina de cavalo e resíduo de lã de ovelha. A caracterização das argamassas é apresentada em termos de consistência no estado fresco, massa volúmica, resistências mecânicas e porosidade aberta, e comparada com a respetiva suscetibilidade ao desenvolvimento biológico de um dos agentes mais típicos de degradação, no caso o bolor Aspergillus niger. Considerando as condições de ensaio utilizadas, verificou-se que o desenvolvimento deste bolor na superfície das argamassas é relativamente limitado embora a adição de fibras naturais possa levar a um aumento dos níveis de contaminação.

AB - Os rebocos constituem principalmente a proteção exterior e interior de elementos de alvenaria. Podem ser eles próprios protegidos por sistemas de pintura ou ficarem diretamente expostos. São constituídos por sistemas em que são aplicadas camadas sucessivas de argamassa. As argamassas são por sua vez constituídas por ligantes e agregados e, eventualmente, adições e adjuvantes. Geralmente constituem camadas de espessura relativamente pequena (da ordem dos 2 cm) mas podem ser aplicados em espessuras superiores, nomeadamente quando se pretendem maiores contributos de isolamento térmico. Para melhorar o seu comportamento, as argamassas para reboco podem ser aditivadas através da utilização de fibras naturais. A ecoeficiência desta prática deve-se à eventual otimização de características conseguida mas também devido ao facto dessas fibras poderem ser resultantes de resíduos, tais como casca ou palha de cereais, refugo de lã, penas ou crinas, entre outros. No entanto, particularmente a utilização deste tipo de adições de materiais orgânicos naturais pode apresentar problemas ao nível da suscetibilidade ao desenvolvimento de bolores e outros fungos, que podem colocar em causa a durabilidade das argamassas. Em tempos foram muito utilizadas argamassas mistas de cal aérea e terra. No entanto a sua aplicação caiu em desuso e o conhecimento deste produto é muito reduzido comparativamente, por exemplo, a argamassas apenas de cal aérea. Pretende-se neste artigo avaliar a suscetibilidade ao desenvolvimento biológico de argamassas de cal aérea, terra e fibras naturais para rebocos. Para tal, é caracterizada uma argamassa só de cal aérea, outra argamassa da qual 25% da massa de cal foi substituída por massa equivalente de terra argilosa e três argamassas também com 25% de terra mas com adição de diferentes percentagens de fibras naturais, nomeadamente de casca de arroz, crina de cavalo e resíduo de lã de ovelha. A caracterização das argamassas é apresentada em termos de consistência no estado fresco, massa volúmica, resistências mecânicas e porosidade aberta, e comparada com a respetiva suscetibilidade ao desenvolvimento biológico de um dos agentes mais típicos de degradação, no caso o bolor Aspergillus niger. Considerando as condições de ensaio utilizadas, verificou-se que o desenvolvimento deste bolor na superfície das argamassas é relativamente limitado embora a adição de fibras naturais possa levar a um aumento dos níveis de contaminação.

KW - Cal aérea

KW - Reboco

KW - Argamassa

KW - Deterioração por fungo

KW - Terra

KW - Fibra natural

M3 - Conference contribution

SP - cd

BT - Simpósio de Argamassas e Soluções Térmicas de Revestimento

ER -