Almoços partilhados, amores não correspondidos e conversas inacabadas.

Quotidiano e Arte Contemporânea

Research output: Contribution to journalArticle

6 Downloads (Pure)

Abstract

A tentativa de fixar o trivial, de dar visibilidade ao aparentemente banal e de, assim, recusar que o quotidiano se dilua no esquecimento é um dos traços que podemos identificar em muitas das propostas artísticas que têm vindo a ser desenvolvidas, sobretudo desde o segundo pós-guerra. Esta produção privilegia um renovado contacto com a realidade e traduz-se através da apropriação, utilização e problematização das suas matérias, dos seus objectos e dos seus gestos - como se tornou particularmente evidente na Pop Art ou no Nouveau Réalisme, mas também nas diferentes dinâmicas performativas que se consubstanciaram ao longo das décadas seguintes e que continuam a ser exploradas na actualidade. Partindo da década de 1960, e tomando como referência a produção de diferentes artistas que recuperaram acções muitas vezes consideradas como anónimas ou residuais (Lefebvre 1947), este artigo procura problematizar o quotidiano nas práticas artísticas contemporâneas.
Original languagePortuguese
Pages (from-to)71-82
Number of pages11
JournalModos. Revista de História da Arte
Volume2
Issue number1
DOIs
Publication statusPublished - 2018

Keywords

  • Arte Contemporânea
  • Quotidiano
  • Daniel Spoerri
  • Sophie Calle
  • Tino Seghal

Cite this