A voz materna e o feto

O que sabemos e o que não sabemos

Research output: Contribution to conferenceAbstract

Abstract

Background: A voz materna é de crucial importância para a ontogénese da comunicação humana. Estudos empíricos sugerem que o feto reage à voz materna no final da gravidez.
Objetivo: Dar a conhecer a situação atual da investigação acerca dos impactos da voz materna no feto, explicitando os indicadores de resposta fetal e as condições experimentais em causa.
Método: Através de uma revisão sistemática de literatura, foram detetados estudos relevantes publicados entre 1980 e o momento atual.
Resultados: Os estudos são relativos a populações obstétricas com e sem risco, utilizando para observação indicadores de resposta fetal do âmbito cardíaco, motor e cerebral.
Conclusões: Entre os indicadores mais pertinentes, situam-se a diminuição do bocejo fetal, a abertura da boca fetal e a ativação do sector inferior do lobo temporal esquerdo do cérebro fetal. Aspetos diversos tais como a idade fetal e as condições do baseline experimental bem como as condições obstétricas podem comprometer as observações da discriminação fetal entre voz materna e outras vozes. A complexidade observada sugere que, no futuro, este campo de investigação deve evoluir adotando um paradigma de investigação baseado na observação da interação materno-fetal mediada pela voz materna dirigida ao feto.

Original languagePortuguese
Number of pages1
Publication statusPublished - Jan 2018
Event12º Congresso Nacional de Psicologia da Saúde - ISPA, Lisbon, Portugal
Duration: 26 Jan 201828 Jan 2018
Conference number: Saúde e Bem-Estar do Bebé, Criança e Família: contributo da Fundação B/GPCBF

Conference

Conference12º Congresso Nacional de Psicologia da Saúde
CountryPortugal
CityLisbon
Period26/01/1828/01/18

Keywords

  • voz materna
  • feto
  • interação materno-fetal
  • movimentos fetais
  • frequencia cardiaca do feto

Cite this

Carvalho, M. E. S., Rodrigues, H., & Justo, J. (2018). A voz materna e o feto: O que sabemos e o que não sabemos. Abstract from 12º Congresso Nacional de Psicologia da Saúde, Lisbon, Portugal.
Carvalho, Maria Eduarda Salgado ; Rodrigues, Helena ; Justo, João . / A voz materna e o feto : O que sabemos e o que não sabemos. Abstract from 12º Congresso Nacional de Psicologia da Saúde, Lisbon, Portugal.1 p.
@conference{34fded54f61f4857b897bfdfaf4e0448,
title = "A voz materna e o feto: O que sabemos e o que n{\~a}o sabemos",
abstract = "Background: A voz materna {\'e} de crucial import{\^a}ncia para a ontog{\'e}nese da comunica{\cc}{\~a}o humana. Estudos emp{\'i}ricos sugerem que o feto reage {\`a} voz materna no final da gravidez.Objetivo: Dar a conhecer a situa{\cc}{\~a}o atual da investiga{\cc}{\~a}o acerca dos impactos da voz materna no feto, explicitando os indicadores de resposta fetal e as condi{\cc}{\~o}es experimentais em causa.M{\'e}todo: Atrav{\'e}s de uma revis{\~a}o sistem{\'a}tica de literatura, foram detetados estudos relevantes publicados entre 1980 e o momento atual.Resultados: Os estudos s{\~a}o relativos a popula{\cc}{\~o}es obst{\'e}tricas com e sem risco, utilizando para observa{\cc}{\~a}o indicadores de resposta fetal do {\^a}mbito card{\'i}aco, motor e cerebral.Conclus{\~o}es: Entre os indicadores mais pertinentes, situam-se a diminui{\cc}{\~a}o do bocejo fetal, a abertura da boca fetal e a ativa{\cc}{\~a}o do sector inferior do lobo temporal esquerdo do c{\'e}rebro fetal. Aspetos diversos tais como a idade fetal e as condi{\cc}{\~o}es do baseline experimental bem como as condi{\cc}{\~o}es obst{\'e}tricas podem comprometer as observa{\cc}{\~o}es da discrimina{\cc}{\~a}o fetal entre voz materna e outras vozes. A complexidade observada sugere que, no futuro, este campo de investiga{\cc}{\~a}o deve evoluir adotando um paradigma de investiga{\cc}{\~a}o baseado na observa{\cc}{\~a}o da intera{\cc}{\~a}o materno-fetal mediada pela voz materna dirigida ao feto.",
keywords = "voz materna, feto, intera{\cc}{\~a}o materno-fetal, movimentos fetais, frequencia cardiaca do feto",
author = "Carvalho, {Maria Eduarda Salgado} and Helena Rodrigues and Jo{\~a}o Justo",
note = "info:eu-repo/grantAgreement/FCT/5876/147237/PT# UID/EAT/00693/2013 ; null ; Conference date: 26-01-2018 Through 28-01-2018",
year = "2018",
month = "1",
language = "Portuguese",

}

Carvalho, MES, Rodrigues, H & Justo, J 2018, 'A voz materna e o feto: O que sabemos e o que não sabemos' 12º Congresso Nacional de Psicologia da Saúde, Lisbon, Portugal, 26/01/18 - 28/01/18, .

A voz materna e o feto : O que sabemos e o que não sabemos. / Carvalho, Maria Eduarda Salgado; Rodrigues, Helena ; Justo, João .

2018. Abstract from 12º Congresso Nacional de Psicologia da Saúde, Lisbon, Portugal.

Research output: Contribution to conferenceAbstract

TY - CONF

T1 - A voz materna e o feto

T2 - O que sabemos e o que não sabemos

AU - Carvalho, Maria Eduarda Salgado

AU - Rodrigues, Helena

AU - Justo, João

N1 - info:eu-repo/grantAgreement/FCT/5876/147237/PT# UID/EAT/00693/2013

PY - 2018/1

Y1 - 2018/1

N2 - Background: A voz materna é de crucial importância para a ontogénese da comunicação humana. Estudos empíricos sugerem que o feto reage à voz materna no final da gravidez.Objetivo: Dar a conhecer a situação atual da investigação acerca dos impactos da voz materna no feto, explicitando os indicadores de resposta fetal e as condições experimentais em causa.Método: Através de uma revisão sistemática de literatura, foram detetados estudos relevantes publicados entre 1980 e o momento atual.Resultados: Os estudos são relativos a populações obstétricas com e sem risco, utilizando para observação indicadores de resposta fetal do âmbito cardíaco, motor e cerebral.Conclusões: Entre os indicadores mais pertinentes, situam-se a diminuição do bocejo fetal, a abertura da boca fetal e a ativação do sector inferior do lobo temporal esquerdo do cérebro fetal. Aspetos diversos tais como a idade fetal e as condições do baseline experimental bem como as condições obstétricas podem comprometer as observações da discriminação fetal entre voz materna e outras vozes. A complexidade observada sugere que, no futuro, este campo de investigação deve evoluir adotando um paradigma de investigação baseado na observação da interação materno-fetal mediada pela voz materna dirigida ao feto.

AB - Background: A voz materna é de crucial importância para a ontogénese da comunicação humana. Estudos empíricos sugerem que o feto reage à voz materna no final da gravidez.Objetivo: Dar a conhecer a situação atual da investigação acerca dos impactos da voz materna no feto, explicitando os indicadores de resposta fetal e as condições experimentais em causa.Método: Através de uma revisão sistemática de literatura, foram detetados estudos relevantes publicados entre 1980 e o momento atual.Resultados: Os estudos são relativos a populações obstétricas com e sem risco, utilizando para observação indicadores de resposta fetal do âmbito cardíaco, motor e cerebral.Conclusões: Entre os indicadores mais pertinentes, situam-se a diminuição do bocejo fetal, a abertura da boca fetal e a ativação do sector inferior do lobo temporal esquerdo do cérebro fetal. Aspetos diversos tais como a idade fetal e as condições do baseline experimental bem como as condições obstétricas podem comprometer as observações da discriminação fetal entre voz materna e outras vozes. A complexidade observada sugere que, no futuro, este campo de investigação deve evoluir adotando um paradigma de investigação baseado na observação da interação materno-fetal mediada pela voz materna dirigida ao feto.

KW - voz materna

KW - feto

KW - interação materno-fetal

KW - movimentos fetais

KW - frequencia cardiaca do feto

M3 - Abstract

ER -

Carvalho MES, Rodrigues H, Justo J. A voz materna e o feto: O que sabemos e o que não sabemos. 2018. Abstract from 12º Congresso Nacional de Psicologia da Saúde, Lisbon, Portugal.