A semiose do espaço: sacralização geográfica e construção de património intangível

Research output: Chapter in Book/Report/Conference proceedingConference contribution

5 Downloads (Pure)

Abstract

A fé e as vivências religiosas determinam a percepção e concepção do espaço. O processo de sacralização do espaço deve-se à semiose do espaço como lugar de manifestação do sagrado (e.g. o reconhecimento de hierofanias). O espaço perde homogeneidade e se distingue entre “sagrado” e “profano”. Esta distinção serve fins espirituais, mas produz identidade entre os crentes e o espaço, ao mesmo tempo que transforma o espaço em património espiritual e cultural. A sacralização do espaço está associada quer a factores psicológicos ou “mitopoiético” (crenças e rituais que criam identidade e simbolismo nos locais de culto, porque formam e mconservam a matriz espiritual sobre o território) quer a factores físicos ou geográficos (características do relevo, pois os lugares de culto no cimo de montes, montanhas e outeiros são frequentes símbolos de devoção popular, cuja imponência fascina pela altura). Nesta perspectiva, o objectivo deste texto é: a) abordar a influência de uma geografia do sagrado; b) relevar o papel do processo de sacralização na organização espacial dos lugares; e c) reconhecer a relação intrínseca da génese e dinâmica do espaço sagrado com a sua frequente e necessária recriação de uma psicologia colectiva, conforme os desígnios espirituais.
Original languagePortuguese
Title of host publicationPatrimonialização e Sustentabilidade do Património
Subtitle of host publicationReflexão e Prospectiva
EditorsGraça Filipe, José Vale, Inês Castaño
Place of PublicationLisboa
PublisherInstituto de História Contemporânea, FCSH/UNL
Pages100-110
Number of pages10
ISBN (Electronic)978-989-98388-4-0
Publication statusPublished - 2018
EventPatrimonialização e Sustentabilidade do Património: Reflexão e Prospectiva - FCSH-NOVA, Lisboa, Portugal
Duration: 27 Nov 201429 Nov 2014
http://www.fcsh.unl.pt/media/eventos/patrimonializacao-e-sustentabilidade-do-patrimonio-reflexao-e-prospectiva

Conference

ConferencePatrimonialização e Sustentabilidade do Património: Reflexão e Prospectiva
CountryPortugal
CityLisboa
Period27/11/1429/11/14
Internet address

Keywords

  • Identidade
  • Geografia da religião
  • Património intangível
  • Sacralização do espaço
  • Semiose do espaço

Cite this

Barroso, P. A. M. (2018). A semiose do espaço: sacralização geográfica e construção de património intangível. In G. Filipe, J. Vale, & I. Castaño (Eds.), Patrimonialização e Sustentabilidade do Património: Reflexão e Prospectiva (pp. 100-110). Lisboa: Instituto de História Contemporânea, FCSH/UNL.
Barroso, Paulo Alexandre Moutinho. / A semiose do espaço : sacralização geográfica e construção de património intangível. Patrimonialização e Sustentabilidade do Património: Reflexão e Prospectiva. editor / Graça Filipe ; José Vale ; Inês Castaño. Lisboa : Instituto de História Contemporânea, FCSH/UNL, 2018. pp. 100-110
@inproceedings{2eef7b59d867440386564cb86e76aa23,
title = "A semiose do espa{\cc}o: sacraliza{\cc}{\~a}o geogr{\'a}fica e constru{\cc}{\~a}o de patrim{\'o}nio intang{\'i}vel",
abstract = "A f{\'e} e as viv{\^e}ncias religiosas determinam a percep{\cc}{\~a}o e concep{\cc}{\~a}o do espa{\cc}o. O processo de sacraliza{\cc}{\~a}o do espa{\cc}o deve-se {\`a} semiose do espa{\cc}o como lugar de manifesta{\cc}{\~a}o do sagrado (e.g. o reconhecimento de hierofanias). O espa{\cc}o perde homogeneidade e se distingue entre “sagrado” e “profano”. Esta distin{\cc}{\~a}o serve fins espirituais, mas produz identidade entre os crentes e o espa{\cc}o, ao mesmo tempo que transforma o espa{\cc}o em patrim{\'o}nio espiritual e cultural. A sacraliza{\cc}{\~a}o do espa{\cc}o est{\'a} associada quer a factores psicol{\'o}gicos ou “mitopoi{\'e}tico” (cren{\cc}as e rituais que criam identidade e simbolismo nos locais de culto, porque formam e mconservam a matriz espiritual sobre o territ{\'o}rio) quer a factores f{\'i}sicos ou geogr{\'a}ficos (caracter{\'i}sticas do relevo, pois os lugares de culto no cimo de montes, montanhas e outeiros s{\~a}o frequentes s{\'i}mbolos de devo{\cc}{\~a}o popular, cuja impon{\^e}ncia fascina pela altura). Nesta perspectiva, o objectivo deste texto {\'e}: a) abordar a influ{\^e}ncia de uma geografia do sagrado; b) relevar o papel do processo de sacraliza{\cc}{\~a}o na organiza{\cc}{\~a}o espacial dos lugares; e c) reconhecer a rela{\cc}{\~a}o intr{\'i}nseca da g{\'e}nese e din{\^a}mica do espa{\cc}o sagrado com a sua frequente e necess{\'a}ria recria{\cc}{\~a}o de uma psicologia colectiva, conforme os des{\'i}gnios espirituais.",
keywords = "Identidade, Geografia da religi{\~a}o, Patrim{\'o}nio intang{\'i}vel, Sacraliza{\cc}{\~a}o do espa{\cc}o, Semiose do espa{\cc}o",
author = "Barroso, {Paulo Alexandre Moutinho}",
note = "UID/CCI/04667/2016",
year = "2018",
language = "Portuguese",
pages = "100--110",
editor = "Gra{\cc}a Filipe and Jos{\'e} Vale and In{\^e}s Casta{\~n}o",
booktitle = "Patrimonializa{\cc}{\~a}o e Sustentabilidade do Patrim{\'o}nio",
publisher = "Instituto de Hist{\'o}ria Contempor{\^a}nea, FCSH/UNL",

}

Barroso, PAM 2018, A semiose do espaço: sacralização geográfica e construção de património intangível. in G Filipe, J Vale & I Castaño (eds), Patrimonialização e Sustentabilidade do Património: Reflexão e Prospectiva. Instituto de História Contemporânea, FCSH/UNL, Lisboa, pp. 100-110, Patrimonialização e Sustentabilidade do Património: Reflexão e Prospectiva, Lisboa, Portugal, 27/11/14.

A semiose do espaço : sacralização geográfica e construção de património intangível. / Barroso, Paulo Alexandre Moutinho.

Patrimonialização e Sustentabilidade do Património: Reflexão e Prospectiva. ed. / Graça Filipe; José Vale; Inês Castaño. Lisboa : Instituto de História Contemporânea, FCSH/UNL, 2018. p. 100-110.

Research output: Chapter in Book/Report/Conference proceedingConference contribution

TY - GEN

T1 - A semiose do espaço

T2 - sacralização geográfica e construção de património intangível

AU - Barroso, Paulo Alexandre Moutinho

N1 - UID/CCI/04667/2016

PY - 2018

Y1 - 2018

N2 - A fé e as vivências religiosas determinam a percepção e concepção do espaço. O processo de sacralização do espaço deve-se à semiose do espaço como lugar de manifestação do sagrado (e.g. o reconhecimento de hierofanias). O espaço perde homogeneidade e se distingue entre “sagrado” e “profano”. Esta distinção serve fins espirituais, mas produz identidade entre os crentes e o espaço, ao mesmo tempo que transforma o espaço em património espiritual e cultural. A sacralização do espaço está associada quer a factores psicológicos ou “mitopoiético” (crenças e rituais que criam identidade e simbolismo nos locais de culto, porque formam e mconservam a matriz espiritual sobre o território) quer a factores físicos ou geográficos (características do relevo, pois os lugares de culto no cimo de montes, montanhas e outeiros são frequentes símbolos de devoção popular, cuja imponência fascina pela altura). Nesta perspectiva, o objectivo deste texto é: a) abordar a influência de uma geografia do sagrado; b) relevar o papel do processo de sacralização na organização espacial dos lugares; e c) reconhecer a relação intrínseca da génese e dinâmica do espaço sagrado com a sua frequente e necessária recriação de uma psicologia colectiva, conforme os desígnios espirituais.

AB - A fé e as vivências religiosas determinam a percepção e concepção do espaço. O processo de sacralização do espaço deve-se à semiose do espaço como lugar de manifestação do sagrado (e.g. o reconhecimento de hierofanias). O espaço perde homogeneidade e se distingue entre “sagrado” e “profano”. Esta distinção serve fins espirituais, mas produz identidade entre os crentes e o espaço, ao mesmo tempo que transforma o espaço em património espiritual e cultural. A sacralização do espaço está associada quer a factores psicológicos ou “mitopoiético” (crenças e rituais que criam identidade e simbolismo nos locais de culto, porque formam e mconservam a matriz espiritual sobre o território) quer a factores físicos ou geográficos (características do relevo, pois os lugares de culto no cimo de montes, montanhas e outeiros são frequentes símbolos de devoção popular, cuja imponência fascina pela altura). Nesta perspectiva, o objectivo deste texto é: a) abordar a influência de uma geografia do sagrado; b) relevar o papel do processo de sacralização na organização espacial dos lugares; e c) reconhecer a relação intrínseca da génese e dinâmica do espaço sagrado com a sua frequente e necessária recriação de uma psicologia colectiva, conforme os desígnios espirituais.

KW - Identidade

KW - Geografia da religião

KW - Património intangível

KW - Sacralização do espaço

KW - Semiose do espaço

M3 - Conference contribution

SP - 100

EP - 110

BT - Patrimonialização e Sustentabilidade do Património

A2 - Filipe, Graça

A2 - Vale, José

A2 - Castaño, Inês

PB - Instituto de História Contemporânea, FCSH/UNL

CY - Lisboa

ER -

Barroso PAM. A semiose do espaço: sacralização geográfica e construção de património intangível. In Filipe G, Vale J, Castaño I, editors, Patrimonialização e Sustentabilidade do Património: Reflexão e Prospectiva. Lisboa: Instituto de História Contemporânea, FCSH/UNL. 2018. p. 100-110