A persistência do conflito industrial organizado: greves em Portugal entre 1960 e 2008

Research output: Contribution to journalArticle

1 Downloads (Pure)

Abstract

Neste estudo procurámos fazer um levantamento, até aqui inexistente, das greves em Portugal entre 1960 e 2008, historicizá-las, analisá-las e compreendê-las, procurando contribuir para explicar historicamente, por um lado, a permanência da greve como forma de luta ao longo destes últimos 40 anos, e por outro, tentar explicar os picos grevistas, a partir de uma análise que conjuga simultaneamente factores políticos e crises económicas, no quadro daquilo que se considera ser uma mudança estrutural nas formas de organização e de luta das classes trabalhadoras portuguesas, bem como na cultura operária, a partir da industrialização da década de 60 do século XX. Salientámos as diferenças que existem nas greves sobre distintos regimes políticos (Estado Novo, Período Revolucionário, Regime Democrático).
Original languagePortuguese
Pages (from-to)151-175
Number of pages24
JournalMundos do Trabalho
Volume3
Issue number6
DOIs
Publication statusPublished - 2011

Keywords

  • Greves
  • Portugal Contemporâneo
  • Conflitos Sociais

Cite this