A Oriente de Malaca: a China Ming e a estratégia global de Afonso de Albuquerque

Research output: Chapter in Book/Report/Conference proceedingChapter

11 Downloads (Pure)

Abstract

Em 1517, um funcionário da administração da província de Guangdong chamado
Gu Yingxiang registava a chegada de dois navios estrangeiros ao porto de Cantão. Trata‑se do primeiro registo em fontes chinesas sobre a chegada dos portugueses ao Império do Meio, mais precisamente dos navios de Fernão Peres de Andrade que transportavam o primeiro embaixador de uma nação europeia à China, Tomé Pires. Foi o momento inaugural das relações luso‑chinesas, cuja primeira fase, até à fixação dos portugueses em Macau nos meados do século, saldou‑se por uma grande instabilidade. Esta turbulência foi o resultado de um conjunto de equívocos, mal‑entendidos, imagens estereotipadas ou expectativas frustradas de ambas as partes.
Original languagePortuguese
Title of host publicationMemórias 2015
EditorsLuís Couto Soares, José dos Santos Maia
Place of PublicationLisboa
PublisherAcademia da Marinha
Pages243-256
Number of pages14
ISBN (Print)978-972-781-129-8
Publication statusPublished - Dec 2016

Keywords

  • Malaca
  • China Ming
  • Afonso de Albuquerque
  • Século 16
  • Império Português
  • Ásia

Cite this

Pinto, P. J. D. S. (2016). A Oriente de Malaca: a China Ming e a estratégia global de Afonso de Albuquerque. In L. C. Soares, & J. D. S. Maia (Eds.), Memórias 2015 (pp. 243-256). Lisboa: Academia da Marinha.