A Metáfora para a Interpretação Musical

o estudo de caso “Um Sino Contra o Tempo”

Research output: Contribution to journalArticle

34 Downloads (Pure)

Abstract

Este artigo focaliza-se no impacto do pensamento metafórico na interpretação, versando sobre as opções pianísticas e do ensemble para o qual a obra Um sino contra o tempo foi composta. Partindo da argumentação de Lakoff e Johnson de que a metáfora unifica razão e imaginação e da premência da construção da narrativa do intérprete para a constituição de uma interpretação apelativa e congruente, este texto constitui-se como uma análise para a interpretação e como um caso estudo sobre a aplicação prática destes pressupostos. A ligação entre razão e imaginação é uma constante, tanto no caso do pianista como do ensemble, e proveniente de exemplos que foram objecto de reflexão e experimentação. Estabelecendo como fócus a frase poética geradora da obra, o intérprete constrói a sua orientação semiótica, baseada na sua verdade interna, construída numa interligação de significados cruzados. Demonstra-se que a colaboração com o compositor foi um factor primordial da construção metafórica do intérprete, devido à estreita colaboração entre ambos, ao conhecimento aprofundado do seu ideário e à circunstância de os intervenientes na construção da obra e sua interpretação partilharem um património cultural que os unifica imageticamente. É, no entanto, dado um especial enfoque à argumentação de Cook e seguida uma linha de pensamento defensora de que as imagens criadas pelo intérprete prevalecem sobre os pressupostos composicionais geradores da obra.
Original languagePortuguese
Pages (from-to)1-23
Number of pages23
JournalEuropean Review of Artistic Studies
Volume8
Issue number1
Publication statusPublished - 2017

Keywords

  • Metáfora
  • Análise para a interpretação
  • Música contemporânea portuguesa
  • Piano

Cite this

@article{b9ab63a49d1a4a53a71a99f91389507b,
title = "A Met{\'a}fora para a Interpreta{\cc}{\~a}o Musical: o estudo de caso “Um Sino Contra o Tempo”",
abstract = "Este artigo focaliza-se no impacto do pensamento metaf{\'o}rico na interpreta{\cc}{\~a}o, versando sobre as op{\cc}{\~o}es pian{\'i}sticas e do ensemble para o qual a obra Um sino contra o tempo foi composta. Partindo da argumenta{\cc}{\~a}o de Lakoff e Johnson de que a met{\'a}fora unifica raz{\~a}o e imagina{\cc}{\~a}o e da prem{\^e}ncia da constru{\cc}{\~a}o da narrativa do int{\'e}rprete para a constitui{\cc}{\~a}o de uma interpreta{\cc}{\~a}o apelativa e congruente, este texto constitui-se como uma an{\'a}lise para a interpreta{\cc}{\~a}o e como um caso estudo sobre a aplica{\cc}{\~a}o pr{\'a}tica destes pressupostos. A liga{\cc}{\~a}o entre raz{\~a}o e imagina{\cc}{\~a}o {\'e} uma constante, tanto no caso do pianista como do ensemble, e proveniente de exemplos que foram objecto de reflex{\~a}o e experimenta{\cc}{\~a}o. Estabelecendo como f{\'o}cus a frase po{\'e}tica geradora da obra, o int{\'e}rprete constr{\'o}i a sua orienta{\cc}{\~a}o semi{\'o}tica, baseada na sua verdade interna, constru{\'i}da numa interliga{\cc}{\~a}o de significados cruzados. Demonstra-se que a colabora{\cc}{\~a}o com o compositor foi um factor primordial da constru{\cc}{\~a}o metaf{\'o}rica do int{\'e}rprete, devido {\`a} estreita colabora{\cc}{\~a}o entre ambos, ao conhecimento aprofundado do seu ide{\'a}rio e {\`a} circunst{\^a}ncia de os intervenientes na constru{\cc}{\~a}o da obra e sua interpreta{\cc}{\~a}o partilharem um patrim{\'o}nio cultural que os unifica imageticamente. {\'E}, no entanto, dado um especial enfoque {\`a} argumenta{\cc}{\~a}o de Cook e seguida uma linha de pensamento defensora de que as imagens criadas pelo int{\'e}rprete prevalecem sobre os pressupostos composicionais geradores da obra.",
keywords = "Met{\'a}fora, An{\'a}lise para a interpreta{\cc}{\~a}o , M{\'u}sica contempor{\^a}nea portuguesa, Piano",
author = "Eduardo Lopes and Bernardo, {Ana Cristina}",
note = "info:eu-repo/grantAgreement/FCT/5876/147237/PT# UID/EAT/00693/2013",
year = "2017",
language = "Portuguese",
volume = "8",
pages = "1--23",
journal = "European Review of Artistic Studies",
issn = "1647-3558",
publisher = "European Review of Artistic Studies",
number = "1",

}

TY - JOUR

T1 - A Metáfora para a Interpretação Musical

T2 - o estudo de caso “Um Sino Contra o Tempo”

AU - Lopes, Eduardo

AU - Bernardo, Ana Cristina

N1 - info:eu-repo/grantAgreement/FCT/5876/147237/PT# UID/EAT/00693/2013

PY - 2017

Y1 - 2017

N2 - Este artigo focaliza-se no impacto do pensamento metafórico na interpretação, versando sobre as opções pianísticas e do ensemble para o qual a obra Um sino contra o tempo foi composta. Partindo da argumentação de Lakoff e Johnson de que a metáfora unifica razão e imaginação e da premência da construção da narrativa do intérprete para a constituição de uma interpretação apelativa e congruente, este texto constitui-se como uma análise para a interpretação e como um caso estudo sobre a aplicação prática destes pressupostos. A ligação entre razão e imaginação é uma constante, tanto no caso do pianista como do ensemble, e proveniente de exemplos que foram objecto de reflexão e experimentação. Estabelecendo como fócus a frase poética geradora da obra, o intérprete constrói a sua orientação semiótica, baseada na sua verdade interna, construída numa interligação de significados cruzados. Demonstra-se que a colaboração com o compositor foi um factor primordial da construção metafórica do intérprete, devido à estreita colaboração entre ambos, ao conhecimento aprofundado do seu ideário e à circunstância de os intervenientes na construção da obra e sua interpretação partilharem um património cultural que os unifica imageticamente. É, no entanto, dado um especial enfoque à argumentação de Cook e seguida uma linha de pensamento defensora de que as imagens criadas pelo intérprete prevalecem sobre os pressupostos composicionais geradores da obra.

AB - Este artigo focaliza-se no impacto do pensamento metafórico na interpretação, versando sobre as opções pianísticas e do ensemble para o qual a obra Um sino contra o tempo foi composta. Partindo da argumentação de Lakoff e Johnson de que a metáfora unifica razão e imaginação e da premência da construção da narrativa do intérprete para a constituição de uma interpretação apelativa e congruente, este texto constitui-se como uma análise para a interpretação e como um caso estudo sobre a aplicação prática destes pressupostos. A ligação entre razão e imaginação é uma constante, tanto no caso do pianista como do ensemble, e proveniente de exemplos que foram objecto de reflexão e experimentação. Estabelecendo como fócus a frase poética geradora da obra, o intérprete constrói a sua orientação semiótica, baseada na sua verdade interna, construída numa interligação de significados cruzados. Demonstra-se que a colaboração com o compositor foi um factor primordial da construção metafórica do intérprete, devido à estreita colaboração entre ambos, ao conhecimento aprofundado do seu ideário e à circunstância de os intervenientes na construção da obra e sua interpretação partilharem um património cultural que os unifica imageticamente. É, no entanto, dado um especial enfoque à argumentação de Cook e seguida uma linha de pensamento defensora de que as imagens criadas pelo intérprete prevalecem sobre os pressupostos composicionais geradores da obra.

KW - Metáfora

KW - Análise para a interpretação

KW - Música contemporânea portuguesa

KW - Piano

M3 - Article

VL - 8

SP - 1

EP - 23

JO - European Review of Artistic Studies

JF - European Review of Artistic Studies

SN - 1647-3558

IS - 1

ER -