Abstract

As crianças portuguesas de 6-8 anos estão a crescer em lares apetrechados com múltiplos ecrãs individualizados, tácteis e com aplicações diversificadas. No entanto, no primeiro inquérito nacional sobre como as crianças estão a crescer entre ecrãs (N= 656), mais de um terço das crianças desta faixa etária não faz uso da internet e prevalece uma mediação centrada no controlo e na restrição. Quatro em cada cinco pais cujas crianças acedem à internet concordam com a afirmação de que o seu uso é bom para aprendizagens. No entanto, cerca de metade identifica riscos na internet e concorda que é preferível que a criança esteja ocupada com atividades que não envolvam ecrãs. Tendo em conta não só características da idade (6-8 anos) mas também a própria relação entre crianças e ecrãs, predominam as atividades de entretenimento. Segundo os pais, cerca de quatro em cinco crianças jogam e veem vídeos, e cerca de duas em três procuram músicas. No recorte de famílias com crianças entre os 6 e os 8 anos, os pais são os principais companheiros em todas as atividades dos filhos na internet, o que se relaciona não só com a faixa etária em análise mas também com as infâncias vividas no singular. A procura de conteúdos do interesse da criança claramente predomina sobre contactos com familiares e amigos e a criação ou produção. Porém, a socialização com pares através redes sociais emerge já nestas idades.
Original languagePortuguese
Pages (from-to)46-57
Number of pages11
JournalRevista Científica Educação para o Desenvolvimento
Issue numberJulho
Publication statusPublished - 2018

Keywords

  • Crianças
  • Família
  • Tecnologias Digitais
  • Mediação Parental

Cite this

@article{3b0571953e474821852b60c115d9d1e1,
title = "A influ{\^e}ncia familiar nas atividades digitais de crian{\cc}as portuguesas de 6-8 anos",
abstract = "As crian{\cc}as portuguesas de 6-8 anos est{\~a}o a crescer em lares apetrechados com m{\'u}ltiplos ecr{\~a}s individualizados, t{\'a}cteis e com aplica{\cc}{\~o}es diversificadas. No entanto, no primeiro inqu{\'e}rito nacional sobre como as crian{\cc}as est{\~a}o a crescer entre ecr{\~a}s (N= 656), mais de um ter{\cc}o das crian{\cc}as desta faixa et{\'a}ria n{\~a}o faz uso da internet e prevalece uma media{\cc}{\~a}o centrada no controlo e na restri{\cc}{\~a}o. Quatro em cada cinco pais cujas crian{\cc}as acedem {\`a} internet concordam com a afirma{\cc}{\~a}o de que o seu uso {\'e} bom para aprendizagens. No entanto, cerca de metade identifica riscos na internet e concorda que {\'e} prefer{\'i}vel que a crian{\cc}a esteja ocupada com atividades que n{\~a}o envolvam ecr{\~a}s. Tendo em conta n{\~a}o s{\'o} caracter{\'i}sticas da idade (6-8 anos) mas tamb{\'e}m a pr{\'o}pria rela{\cc}{\~a}o entre crian{\cc}as e ecr{\~a}s, predominam as atividades de entretenimento. Segundo os pais, cerca de quatro em cinco crian{\cc}as jogam e veem v{\'i}deos, e cerca de duas em tr{\^e}s procuram m{\'u}sicas. No recorte de fam{\'i}lias com crian{\cc}as entre os 6 e os 8 anos, os pais s{\~a}o os principais companheiros em todas as atividades dos filhos na internet, o que se relaciona n{\~a}o s{\'o} com a faixa et{\'a}ria em an{\'a}lise mas tamb{\'e}m com as inf{\^a}ncias vividas no singular. A procura de conte{\'u}dos do interesse da crian{\cc}a claramente predomina sobre contactos com familiares e amigos e a cria{\cc}{\~a}o ou produ{\cc}{\~a}o. Por{\'e}m, a socializa{\cc}{\~a}o com pares atrav{\'e}s redes sociais emerge j{\'a} nestas idades.",
keywords = "Crian{\cc}as, Fam{\'i}lia, Tecnologias Digitais, Media{\cc}{\~a}o Parental",
author = "Cristina Ponte and Castro, {Teresa Sofia Pereira Dias de} and Susana Batista",
note = "UID/CCI/04667/2016",
year = "2018",
language = "Portuguese",
pages = "46--57",
journal = "Revista Cient{\'i}fica Educa{\cc}{\~a}o para o Desenvolvimento",
number = "Julho",

}

TY - JOUR

T1 - A influência familiar nas atividades digitais de crianças portuguesas de 6-8 anos

AU - Ponte, Cristina

AU - Castro, Teresa Sofia Pereira Dias de

AU - Batista, Susana

N1 - UID/CCI/04667/2016

PY - 2018

Y1 - 2018

N2 - As crianças portuguesas de 6-8 anos estão a crescer em lares apetrechados com múltiplos ecrãs individualizados, tácteis e com aplicações diversificadas. No entanto, no primeiro inquérito nacional sobre como as crianças estão a crescer entre ecrãs (N= 656), mais de um terço das crianças desta faixa etária não faz uso da internet e prevalece uma mediação centrada no controlo e na restrição. Quatro em cada cinco pais cujas crianças acedem à internet concordam com a afirmação de que o seu uso é bom para aprendizagens. No entanto, cerca de metade identifica riscos na internet e concorda que é preferível que a criança esteja ocupada com atividades que não envolvam ecrãs. Tendo em conta não só características da idade (6-8 anos) mas também a própria relação entre crianças e ecrãs, predominam as atividades de entretenimento. Segundo os pais, cerca de quatro em cinco crianças jogam e veem vídeos, e cerca de duas em três procuram músicas. No recorte de famílias com crianças entre os 6 e os 8 anos, os pais são os principais companheiros em todas as atividades dos filhos na internet, o que se relaciona não só com a faixa etária em análise mas também com as infâncias vividas no singular. A procura de conteúdos do interesse da criança claramente predomina sobre contactos com familiares e amigos e a criação ou produção. Porém, a socialização com pares através redes sociais emerge já nestas idades.

AB - As crianças portuguesas de 6-8 anos estão a crescer em lares apetrechados com múltiplos ecrãs individualizados, tácteis e com aplicações diversificadas. No entanto, no primeiro inquérito nacional sobre como as crianças estão a crescer entre ecrãs (N= 656), mais de um terço das crianças desta faixa etária não faz uso da internet e prevalece uma mediação centrada no controlo e na restrição. Quatro em cada cinco pais cujas crianças acedem à internet concordam com a afirmação de que o seu uso é bom para aprendizagens. No entanto, cerca de metade identifica riscos na internet e concorda que é preferível que a criança esteja ocupada com atividades que não envolvam ecrãs. Tendo em conta não só características da idade (6-8 anos) mas também a própria relação entre crianças e ecrãs, predominam as atividades de entretenimento. Segundo os pais, cerca de quatro em cinco crianças jogam e veem vídeos, e cerca de duas em três procuram músicas. No recorte de famílias com crianças entre os 6 e os 8 anos, os pais são os principais companheiros em todas as atividades dos filhos na internet, o que se relaciona não só com a faixa etária em análise mas também com as infâncias vividas no singular. A procura de conteúdos do interesse da criança claramente predomina sobre contactos com familiares e amigos e a criação ou produção. Porém, a socialização com pares através redes sociais emerge já nestas idades.

KW - Crianças

KW - Família

KW - Tecnologias Digitais

KW - Mediação Parental

M3 - Article

SP - 46

EP - 57

JO - Revista Científica Educação para o Desenvolvimento

JF - Revista Científica Educação para o Desenvolvimento

IS - Julho

ER -