A Ideia de uma Lógica da(s) Filosofia(s) da Educação

Research output: Contribution to journalArticle

Abstract

A hibridez constitutiva da filosofia da educação, a sua relação complexa com matrizes filosóficas gerais, o jogo nela constantemente ensaiado entre a existência de um campo teórico unificado e a pulverização desse mesmo campo em múltiplas filosofias da educação, deveriam obrigar a um trabalho de fundamentação e de validação epistemológica dos discursos, modelos e processos que, nela e sobre ela, se vão gerando. Em particular, parece-nos essencial que se pondere o que pode definir a propriedade epistémica deste domínio. Ora, é fácil verificar que um tal exercício raramente ocorre, seja por se pressupor uma legitimidade garantida pela perspectiva filosófica de base à qual se recorre, seja por se julgar cumprida a respectiva missão quando se pensa ter atingido um nível de sentido mais satisfatório do que aquele que é produzido pelas concorrentes ciências da educação, seja por se presumir que a retomada de certos lugares-comuns da tradição filosófica, assumidos com valor de autoridade e recombinados em função da temática educativa, descarte a exigência de produzir o fundamento dessa heterogeneidade enunciativa.
Original languagePortuguese
Pages (from-to)201-213
Number of pages13
JournalItinerários de Filosofia da Educação
Volume13
Publication statusPublished - 2015

Cite this

@article{f1e5119e3fbc487aa4f5ec9de7d8b4e0,
title = "A Ideia de uma L{\'o}gica da(s) Filosofia(s) da Educa{\cc}{\~a}o",
abstract = "A hibridez constitutiva da filosofia da educa{\cc}{\~a}o, a sua rela{\cc}{\~a}o complexa com matrizes filos{\'o}ficas gerais, o jogo nela constantemente ensaiado entre a exist{\^e}ncia de um campo te{\'o}rico unificado e a pulveriza{\cc}{\~a}o desse mesmo campo em m{\'u}ltiplas filosofias da educa{\cc}{\~a}o, deveriam obrigar a um trabalho de fundamenta{\cc}{\~a}o e de valida{\cc}{\~a}o epistemol{\'o}gica dos discursos, modelos e processos que, nela e sobre ela, se v{\~a}o gerando. Em particular, parece-nos essencial que se pondere o que pode definir a propriedade epist{\'e}mica deste dom{\'i}nio. Ora, {\'e} f{\'a}cil verificar que um tal exerc{\'i}cio raramente ocorre, seja por se pressupor uma legitimidade garantida pela perspectiva filos{\'o}fica de base {\`a} qual se recorre, seja por se julgar cumprida a respectiva miss{\~a}o quando se pensa ter atingido um n{\'i}vel de sentido mais satisfat{\'o}rio do que aquele que {\'e} produzido pelas concorrentes ci{\^e}ncias da educa{\cc}{\~a}o, seja por se presumir que a retomada de certos lugares-comuns da tradi{\cc}{\~a}o filos{\'o}fica, assumidos com valor de autoridade e recombinados em fun{\cc}{\~a}o da tem{\'a}tica educativa, descarte a exig{\^e}ncia de produzir o fundamento dessa heterogeneidade enunciativa.",
author = "Bernardo, {Luis Manuel Aires Ventura}",
year = "2015",
language = "Portuguese",
volume = "13",
pages = "201--213",
journal = "Itiner{\'a}rios de Filosofia da Educa{\cc}{\~a}o",
issn = "1646-1959",

}

A Ideia de uma Lógica da(s) Filosofia(s) da Educação. / Bernardo, Luis Manuel Aires Ventura.

In: Itinerários de Filosofia da Educação, Vol. 13, 2015, p. 201-213.

Research output: Contribution to journalArticle

TY - JOUR

T1 - A Ideia de uma Lógica da(s) Filosofia(s) da Educação

AU - Bernardo, Luis Manuel Aires Ventura

PY - 2015

Y1 - 2015

N2 - A hibridez constitutiva da filosofia da educação, a sua relação complexa com matrizes filosóficas gerais, o jogo nela constantemente ensaiado entre a existência de um campo teórico unificado e a pulverização desse mesmo campo em múltiplas filosofias da educação, deveriam obrigar a um trabalho de fundamentação e de validação epistemológica dos discursos, modelos e processos que, nela e sobre ela, se vão gerando. Em particular, parece-nos essencial que se pondere o que pode definir a propriedade epistémica deste domínio. Ora, é fácil verificar que um tal exercício raramente ocorre, seja por se pressupor uma legitimidade garantida pela perspectiva filosófica de base à qual se recorre, seja por se julgar cumprida a respectiva missão quando se pensa ter atingido um nível de sentido mais satisfatório do que aquele que é produzido pelas concorrentes ciências da educação, seja por se presumir que a retomada de certos lugares-comuns da tradição filosófica, assumidos com valor de autoridade e recombinados em função da temática educativa, descarte a exigência de produzir o fundamento dessa heterogeneidade enunciativa.

AB - A hibridez constitutiva da filosofia da educação, a sua relação complexa com matrizes filosóficas gerais, o jogo nela constantemente ensaiado entre a existência de um campo teórico unificado e a pulverização desse mesmo campo em múltiplas filosofias da educação, deveriam obrigar a um trabalho de fundamentação e de validação epistemológica dos discursos, modelos e processos que, nela e sobre ela, se vão gerando. Em particular, parece-nos essencial que se pondere o que pode definir a propriedade epistémica deste domínio. Ora, é fácil verificar que um tal exercício raramente ocorre, seja por se pressupor uma legitimidade garantida pela perspectiva filosófica de base à qual se recorre, seja por se julgar cumprida a respectiva missão quando se pensa ter atingido um nível de sentido mais satisfatório do que aquele que é produzido pelas concorrentes ciências da educação, seja por se presumir que a retomada de certos lugares-comuns da tradição filosófica, assumidos com valor de autoridade e recombinados em função da temática educativa, descarte a exigência de produzir o fundamento dessa heterogeneidade enunciativa.

M3 - Article

VL - 13

SP - 201

EP - 213

JO - Itinerários de Filosofia da Educação

JF - Itinerários de Filosofia da Educação

SN - 1646-1959

ER -