A Gripe no Corpo Expedicionário Português

Research output: Chapter in Book/Report/Conference proceedingConference contribution

1 Downloads (Pure)

Abstract

O último ano da Grande Guerra (1914-1918) ficou marcado pela pandemia de gripe pneumónica, que afectou a população civil e militar. A violência e a longevidade do conflito tiveram um impacto directo na saúde dos militares. As sucessivas vagas de gripe agravaram este cenário, afectando os militares exaustos e enfraquecidos. Neste artigo, pretende-se abordar a pandemia de gripe em contexto militar, nomeadamente no Corpo Expedicionário Português (França), e conhecer algumas das medidas de profilaxia adoptadas pelas autoridades militares portuguesas no terreno, que seguiram orientações internacionais. Graças à Comissão de Vigilância Interaliada e às suas reuniões regulares foi possível trocar informações sobre a pandemia e adoptar medidas comuns. Paralelamente, tentaremos
avaliar o impacto da gripe nas forças militares portuguesas partindo de relatos da época e estatísticas oficiais, cruzando com contagens dos registos de entradas de estruturas de saúde. Por último, tentaremos estabelecer uma comparação com o exército britânico, onde a mortalidade foi bem mais elevada.
Original languagePortuguese
Title of host publicationA Gripe Espanhola de 1918
EditorsAntero Ferreira
Place of PublicationGuimarães
PublisherCasa de Sarmento/UMinho
Pages117-136
Number of pages20
ISBN (Print)978-989-54723-0-7
DOIs
Publication statusPublished - 2020

Keywords

  • Pneumónica
  • Gripe
  • Lisboa
  • Mortalidade
  • Poder local

Cite this