A Esquizofrenia como Perturbação do Si

Research output: Chapter in Book/Report/Conference proceedingChapter

14 Downloads (Pure)

Abstract

A esquizofrenia, e outras perturbações mentais, têm sido definidas actualmente mais a partir de traços e dimensões do que do estudo do sujeito doente. Historicamente esta situação está ligada à evolução dos instrumentos de diagnóstico DSM e ICD, que visam ser objectivos e a-teóricos (Abreu, 2013). Andreasen (2007) sustenta que a hegemonia do diagnóstico pelo DSM levanta alguns problemas: os clínicos focalizam-se apenas nalguns sintomas característicos, desprezando os que não estão incluídos no manual; há uma desumanização porque o clínico apenas consulta listas comportamentos desinteressando-se por conhecer o sujeito esquizofrénico; a validade tem sido sacrificada à confiabilidade.
Penso ser então necessário retomar uma perspectiva que, para além da abordagem anteriormente descrita, coloque o sujeito esquizofrénico em primeiro plano. A corrente da psicopatologia fenomenológica clássica e a psicopatologia psicanalítica cumprem esse requisito. No entanto, tem havido desenvolvimentos teóricos importantes dentro da linha fenomenológica (enquanto, penso, a psicanálise tem como referência autores com mais de 20 anos). Sass (2013) resumiu recentemente o modelo da esquizofrenia enquanto perturbação do si (self). Esta perturbação não se processa tanto ao nível do chamado “si narrativo”, mas no nível mais fundamental do que tem sido teorizado como “si mínimo” ou “nuclear”. A híper-reflexividade e a diminuição da auto-afecção são as duas propriedades fundamentais do instável si nuclear do esquizofrénico. Pretendo nesta comunicação caracterizar a esquizofrenia enquanto perturbação do si nuclear nos seus 3 eixos de primeira pessoa, presença a si e fenomenalidade.
Esclareço, entretanto, alguns equívocos frequentes na Psicologia relativos à consciência e à introspecção.
Original languagePortuguese
Title of host publicationActas do IX Congresso Iberoamericano de Psicologia
Subtitle of host publication2º Congresso da Ordem dos Psicólogos Portugueses, Lisboa, 9-13 Setembro 2014
Place of PublicationLisboa
PublisherOrdem dos Psicólogos Portugueses
Pages87-99
Number of pages12
ISBN (Print)978-989-99037-2-2
Publication statusPublished - 2016

Keywords

  • Auto-afecção
  • Si
  • Esquizofrenia
  • Híper-reflexividade

Cite this

Gonçalves, J. (2016). A Esquizofrenia como Perturbação do Si. In Actas do IX Congresso Iberoamericano de Psicologia: 2º Congresso da Ordem dos Psicólogos Portugueses, Lisboa, 9-13 Setembro 2014 (pp. 87-99). Lisboa: Ordem dos Psicólogos Portugueses .
Gonçalves, Jorge. / A Esquizofrenia como Perturbação do Si. Actas do IX Congresso Iberoamericano de Psicologia: 2º Congresso da Ordem dos Psicólogos Portugueses, Lisboa, 9-13 Setembro 2014. Lisboa : Ordem dos Psicólogos Portugueses , 2016. pp. 87-99
@inbook{98f70be2eeb84f09b4d9c3d3443e651c,
title = "A Esquizofrenia como Perturba{\cc}{\~a}o do Si",
abstract = "A esquizofrenia, e outras perturba{\cc}{\~o}es mentais, t{\^e}m sido definidas actualmente mais a partir de tra{\cc}os e dimens{\~o}es do que do estudo do sujeito doente. Historicamente esta situa{\cc}{\~a}o est{\'a} ligada {\`a} evolu{\cc}{\~a}o dos instrumentos de diagn{\'o}stico DSM e ICD, que visam ser objectivos e a-te{\'o}ricos (Abreu, 2013). Andreasen (2007) sustenta que a hegemonia do diagn{\'o}stico pelo DSM levanta alguns problemas: os cl{\'i}nicos focalizam-se apenas nalguns sintomas caracter{\'i}sticos, desprezando os que n{\~a}o est{\~a}o inclu{\'i}dos no manual; h{\'a} uma desumaniza{\cc}{\~a}o porque o cl{\'i}nico apenas consulta listas comportamentos desinteressando-se por conhecer o sujeito esquizofr{\'e}nico; a validade tem sido sacrificada {\`a} confiabilidade.Penso ser ent{\~a}o necess{\'a}rio retomar uma perspectiva que, para al{\'e}m da abordagem anteriormente descrita, coloque o sujeito esquizofr{\'e}nico em primeiro plano. A corrente da psicopatologia fenomenol{\'o}gica cl{\'a}ssica e a psicopatologia psicanal{\'i}tica cumprem esse requisito. No entanto, tem havido desenvolvimentos te{\'o}ricos importantes dentro da linha fenomenol{\'o}gica (enquanto, penso, a psican{\'a}lise tem como refer{\^e}ncia autores com mais de 20 anos). Sass (2013) resumiu recentemente o modelo da esquizofrenia enquanto perturba{\cc}{\~a}o do si (self). Esta perturba{\cc}{\~a}o n{\~a}o se processa tanto ao n{\'i}vel do chamado “si narrativo”, mas no n{\'i}vel mais fundamental do que tem sido teorizado como “si m{\'i}nimo” ou “nuclear”. A h{\'i}per-reflexividade e a diminui{\cc}{\~a}o da auto-afec{\cc}{\~a}o s{\~a}o as duas propriedades fundamentais do inst{\'a}vel si nuclear do esquizofr{\'e}nico. Pretendo nesta comunica{\cc}{\~a}o caracterizar a esquizofrenia enquanto perturba{\cc}{\~a}o do si nuclear nos seus 3 eixos de primeira pessoa, presen{\cc}a a si e fenomenalidade.Esclare{\cc}o, entretanto, alguns equ{\'i}vocos frequentes na Psicologia relativos {\`a} consci{\^e}ncia e {\`a} introspec{\cc}{\~a}o.",
keywords = "Auto-afec{\cc}{\~a}o, Si, Esquizofrenia, H{\'i}per-reflexividade",
author = "Jorge Gon{\cc}alves",
note = "info:eu-repo/grantAgreement/FCT/SFRH/SFRH{\%}2FBPD{\%}2F84773{\%}2F2012/PT# info:eu-repo/grantAgreement/FCT/5876/147240/PT# SFRH/BPD/84773/2012 UID/FIL/00183/2013",
year = "2016",
language = "Portuguese",
isbn = "978-989-99037-2-2",
pages = "87--99",
booktitle = "Actas do IX Congresso Iberoamericano de Psicologia",
publisher = "Ordem dos Psic{\'o}logos Portugueses",

}

Gonçalves, J 2016, A Esquizofrenia como Perturbação do Si. in Actas do IX Congresso Iberoamericano de Psicologia: 2º Congresso da Ordem dos Psicólogos Portugueses, Lisboa, 9-13 Setembro 2014. Ordem dos Psicólogos Portugueses , Lisboa, pp. 87-99.

A Esquizofrenia como Perturbação do Si. / Gonçalves, Jorge.

Actas do IX Congresso Iberoamericano de Psicologia: 2º Congresso da Ordem dos Psicólogos Portugueses, Lisboa, 9-13 Setembro 2014. Lisboa : Ordem dos Psicólogos Portugueses , 2016. p. 87-99.

Research output: Chapter in Book/Report/Conference proceedingChapter

TY - CHAP

T1 - A Esquizofrenia como Perturbação do Si

AU - Gonçalves, Jorge

N1 - info:eu-repo/grantAgreement/FCT/SFRH/SFRH%2FBPD%2F84773%2F2012/PT# info:eu-repo/grantAgreement/FCT/5876/147240/PT# SFRH/BPD/84773/2012 UID/FIL/00183/2013

PY - 2016

Y1 - 2016

N2 - A esquizofrenia, e outras perturbações mentais, têm sido definidas actualmente mais a partir de traços e dimensões do que do estudo do sujeito doente. Historicamente esta situação está ligada à evolução dos instrumentos de diagnóstico DSM e ICD, que visam ser objectivos e a-teóricos (Abreu, 2013). Andreasen (2007) sustenta que a hegemonia do diagnóstico pelo DSM levanta alguns problemas: os clínicos focalizam-se apenas nalguns sintomas característicos, desprezando os que não estão incluídos no manual; há uma desumanização porque o clínico apenas consulta listas comportamentos desinteressando-se por conhecer o sujeito esquizofrénico; a validade tem sido sacrificada à confiabilidade.Penso ser então necessário retomar uma perspectiva que, para além da abordagem anteriormente descrita, coloque o sujeito esquizofrénico em primeiro plano. A corrente da psicopatologia fenomenológica clássica e a psicopatologia psicanalítica cumprem esse requisito. No entanto, tem havido desenvolvimentos teóricos importantes dentro da linha fenomenológica (enquanto, penso, a psicanálise tem como referência autores com mais de 20 anos). Sass (2013) resumiu recentemente o modelo da esquizofrenia enquanto perturbação do si (self). Esta perturbação não se processa tanto ao nível do chamado “si narrativo”, mas no nível mais fundamental do que tem sido teorizado como “si mínimo” ou “nuclear”. A híper-reflexividade e a diminuição da auto-afecção são as duas propriedades fundamentais do instável si nuclear do esquizofrénico. Pretendo nesta comunicação caracterizar a esquizofrenia enquanto perturbação do si nuclear nos seus 3 eixos de primeira pessoa, presença a si e fenomenalidade.Esclareço, entretanto, alguns equívocos frequentes na Psicologia relativos à consciência e à introspecção.

AB - A esquizofrenia, e outras perturbações mentais, têm sido definidas actualmente mais a partir de traços e dimensões do que do estudo do sujeito doente. Historicamente esta situação está ligada à evolução dos instrumentos de diagnóstico DSM e ICD, que visam ser objectivos e a-teóricos (Abreu, 2013). Andreasen (2007) sustenta que a hegemonia do diagnóstico pelo DSM levanta alguns problemas: os clínicos focalizam-se apenas nalguns sintomas característicos, desprezando os que não estão incluídos no manual; há uma desumanização porque o clínico apenas consulta listas comportamentos desinteressando-se por conhecer o sujeito esquizofrénico; a validade tem sido sacrificada à confiabilidade.Penso ser então necessário retomar uma perspectiva que, para além da abordagem anteriormente descrita, coloque o sujeito esquizofrénico em primeiro plano. A corrente da psicopatologia fenomenológica clássica e a psicopatologia psicanalítica cumprem esse requisito. No entanto, tem havido desenvolvimentos teóricos importantes dentro da linha fenomenológica (enquanto, penso, a psicanálise tem como referência autores com mais de 20 anos). Sass (2013) resumiu recentemente o modelo da esquizofrenia enquanto perturbação do si (self). Esta perturbação não se processa tanto ao nível do chamado “si narrativo”, mas no nível mais fundamental do que tem sido teorizado como “si mínimo” ou “nuclear”. A híper-reflexividade e a diminuição da auto-afecção são as duas propriedades fundamentais do instável si nuclear do esquizofrénico. Pretendo nesta comunicação caracterizar a esquizofrenia enquanto perturbação do si nuclear nos seus 3 eixos de primeira pessoa, presença a si e fenomenalidade.Esclareço, entretanto, alguns equívocos frequentes na Psicologia relativos à consciência e à introspecção.

KW - Auto-afecção

KW - Si

KW - Esquizofrenia

KW - Híper-reflexividade

M3 - Chapter

SN - 978-989-99037-2-2

SP - 87

EP - 99

BT - Actas do IX Congresso Iberoamericano de Psicologia

PB - Ordem dos Psicólogos Portugueses

CY - Lisboa

ER -

Gonçalves J. A Esquizofrenia como Perturbação do Si. In Actas do IX Congresso Iberoamericano de Psicologia: 2º Congresso da Ordem dos Psicólogos Portugueses, Lisboa, 9-13 Setembro 2014. Lisboa: Ordem dos Psicólogos Portugueses . 2016. p. 87-99