A documentação de coleções de fita magnética: o caso de Constança Capdeville

Research output: Chapter in Book/Report/Conference proceedingConference contribution

99 Downloads (Pure)

Abstract

Em Portugal, nos anos 40, a fita magnética analógica é implementada como meio de gravação e armazenamento sonoro. A quantidade de acervos de fita magnética que documenta momentos históricos, políticos, artísticos e sociais é extensa. Este suporte é instável e necessita de cuidados específicos de preservação. O presente artigo procura refletir sobre as metodologias de
documentação usadas na preservação da fita magnética com base na coleção de Constança Capdeville, uma figura extremamente relevante da música contemporânea portuguesa a partir da segunda metade do século XX. A maioria das suas composições compreende performances ao vivo
com instrumentos acústicos e gravações em suporte magnético. Na ausência dessas fitas e de outra documentação complementar, torna-se difícil a performance destas obras. Este artigo é a primeira abordagem científica, técnica e musicológica às obras de música mista, com registo áudio em fita magnética, e visa evidenciar uma lacuna relativamente à preservação do nosso património sonoro.
Original languagePortuguese
Title of host publicationActas do III Encontro Ibero-americano de Jovens Musicólogos
EditorsMarco Brescia, Rosana Brescia
PublisherTagus-Atlanticus Associação Cultural
Pages269-277
Number of pages8
ISBN (Print)978-989-99769
Publication statusPublished - 2016

Keywords

  • documentação
  • digitalização
  • preservação
  • fita magnética
  • Constança Capdeville

Cite this

Magalhães, A. F. G. (2016). A documentação de coleções de fita magnética: o caso de Constança Capdeville. In M. Brescia, & R. Brescia (Eds.), Actas do III Encontro Ibero-americano de Jovens Musicólogos (pp. 269-277). Tagus-Atlanticus Associação Cultural.