A contribuição de um Wiki Luso-Angolano para o desenvolvimento

Research output: Chapter in Book/Report/Conference proceedingConference contribution

Abstract

No contexto económico actual não basta saber produzir um determinado bem ou serviço, é preciso ter informação sobre a tecnologia mais eficiente, sobre os mercados onde se podem comprar factores e vender o produto e sobre os seus preços prováveis. Efectivamente, quer a tecnologia, quer as decisões empresariais são condicionadas pela quantidade e qualidade da informação disponível, sendo necessário considerar a informação e as tecnologias de informação e comunicação que suportam o seu uso na actualidade, como factores de produção ou factores que afectam a produtividade dos outros factores (terra, trabalho e capital). A maior ou menor dificuldade de acesso à informação determina o seu custo e este determina o seu uso em maior ou menor quantidade, tal como acontece com os outros factores de produção (adubo, água, sementes ou tractores). Quando falamos em produção não estamos apenas a referir-nos a bens materiais (pão ou leite), estamos, também, a falar de serviços de saúde, educação, segurança, assistência e outros. Se há características gerais comuns aos povos em vias de desenvolvimento, a abundância do factor trabalho e a escassez de quase todos os outros e/ou a assimetria na sua distribuídos, são das mais relevantes. Há inúmeros exemplos de países onde o acesso à terra, ao crédito (capital), à instrução, à tecnologia e à informação é privilégio de uma pequena percentagem da população. Angola, sendo um país muito grande, com muitos e bons recursos naturais, encontra-se numa fase do processo de desenvolvimento em que o valor da produtividade marginal da informação, em quase todos os sectores de actividade, é muito alto. Efectivamente, para quase todas as actividades, a informação, muitas vezes básica, é crucial para promover o desenvolvimento. Sem querermos entrar em detalhe nesta matéria, diremos que são inúmeras as referências feitas à falta de informação em áreas como a saúde, a alimentação e a produção nos mais diversos sectores de actividade. Referindo-nos apenas ao sector da agricultura, é vasta a literatura onde a falta de informação é referida como um entrave para levar a bom termos as políticas desenhadas. Por exemplo, a falta de informação é apontada, a par dos direitos de propriedade, como barreira às mudanças de sistemas culturais. A falta de informação sobre técnicas de produção impedem os agricultores de melhorar o seu nível de vida e contribuir para melhorar o ambiente. Também a falta de informação é apontada como a causa da má utilização dos recursos naturais. Em relação a Angola, para além da informação geral, comum a muitas actividades, independentemente da sua localização, há muita informação específica. Alguma desta informação está escrita ou gravada, mas muita outra está na cabeça de muitos dos que lá vivemos, ensinámos, investigámos ou desenvolvemos outras actividades. Infelizmente, Portugal, apesar de ter criado muitas universidades e politécnicos, não teve a capacidade de criar uma instituição vocacionada para continuar a estudar os temas que interessavam às então denominadas províncias ultramarinas africanas, nem coligir de forma sistemática o conhecimento trazido. Neste contexto tem hoje uma particular relevância a denominada Web 2.0 ou a Web Social na medida em que poderá constituir-se como uma alavanca para ultrapassar os constrangimentos referidos acima. O conceito da Web 2.0 está intimamente relacionado com a disponibilização online de um conjunto bastante diversificado de soluções tecnológicas cuja criação de valor assenta no ambiente colaborativo em que são construídos. Estamos a referir-nos aos blogues, wikis, redes sociais, etc. No caso concreto da gestão do conhecimento, enquanto processo de recolha, armazenamento, criação e partilha, os wikis têm vindo a receber uma atenção acrescida. Presentemente, são apontados como estratégia bastante válida para suportarem a gestão do conhecimento, como hoje constatamos pelo sucesso da Wikipédia que desafiou o modelo de negócio tradicional das enciclopédias e a forma como o conhecimento era construído até então. Efectivamente os wikis, ao suportarem um modelo de gestão de informação colaborativo e orgânico – em que são os próprios utilizadores que são responsáveis pela criação e gestão dos conteúdos disponibilizados on-line, bem como pela sua estruturação e revisão/crítica de forma contínua e aberta – têm vindo em crescendo a ser utilizados para construir os mais diversos espaços informacionais reunindo interessados numa determinada área temática constituindo-se como verdadeiros comunidades de prática. Neste sentido, a possibilidade de se constituir uma “network”, neste caso um wiki LusoAngolano para o desenvolvimento, onde fosse colocada e disponibilizada a informação que seja possível recolher mediante o contributo voluntário da comunidade que se consiga dinamizar em torno deste problema, poderá ter um impacto muito grande no desenvolvimento de Angola. Os objectivos deste trabalho são: (1) realçar o valor económico da informação e (2) mostrar que é possível a criação de uma PLATAFORMA de INFORMAÇÃO – Wiki, sobre a Internet, e evidenciar o potencial da mesma no processo de desenvolvimento de Angola.
Original languageUnknown
Title of host publicationEncontro Luso-Angolano Economia, Sociologia e Desenvolvimento Rural
Pages1-
Publication statusPublished - 1 Jan 2009
Event1º Encontro Luso-Angolano Economia, Sociologia e Desenvolvimento Rural -
Duration: 1 Jan 2009 → …

Conference

Conference1º Encontro Luso-Angolano Economia, Sociologia e Desenvolvimento Rural
Period1/01/09 → …

Cite this