A ópera como teatro como cinema

A propósito de Casanova Variations (2014) de Michael Sturminger

Research output: Contribution to conferenceAbstract

Abstract

"I need variation, I require variation” – proferidas por John Malkovitch no início do filme, estas palavras parecem traduzir o gesto subjacente à produção de The Casanova Variations. Com efeito, operático é não só o tema do filme mas desde logo o da produção teatral que lhe serve de ponto de partida. Ambas são da responsabilidade de Sturminger e giram em torno das aventuras e desventuras do sedutor veneziano que encontraram na ópera de Da Ponte e Mozart a sua cristalização mais emblemática. Trata-se, portanto, de uma variação cinematográfica de uma variação teatral de um tema operático.

Nesta apresentação, tratar-se-á de discutir a hibridez deste objecto em relação com os debates em curso sobre o cruzamento dos géneros operático e cinematográfico. Em especial, interessa-nos o facto de o filme operar um desvio relativamente a uma associação amplamente praticada e debatida: já não é a diva – martirizada, suicida, defunta – o epítome do género operático (como o é em filmes como E la nave va ou Callas forever), mas o sedutor inveterado e moribundo (encarnado por uma figura icónica do cinema). O tema fúnebre, porém, persiste: assistimos à morte e à transladação do corpo de Casanova, tal como em Fellini assistíramos à exéquias marítimas de Edmea Tetua. A atracção do cinema pela ópera – parafraseando Michal Grover-Friedlander – conhece aqui, também ele, uma variação, sendo esta que importa interrogar criticamente nos seus pressupostos e implicações estéticas.
Original languagePortuguese
Publication statusPublished - 2015
EventEncontro Anual da AIM - ISCTE, Lisboa, Portugal
Duration: 21 May 201523 May 2015

Conference

ConferenceEncontro Anual da AIM
CountryPortugal
CityLisboa
Period21/05/1523/05/15

Keywords

  • ópera
  • teatro
  • cinema
  • Sturminger
  • Casanova Variations

Cite this

@conference{57bdeae93de84f78910c8bf6101c8985,
title = "A {\'o}pera como teatro como cinema: A prop{\'o}sito de Casanova Variations (2014) de Michael Sturminger",
abstract = "{"}I need variation, I require variation” – proferidas por John Malkovitch no in{\'i}cio do filme, estas palavras parecem traduzir o gesto subjacente {\`a} produ{\cc}{\~a}o de The Casanova Variations. Com efeito, oper{\'a}tico {\'e} n{\~a}o s{\'o} o tema do filme mas desde logo o da produ{\cc}{\~a}o teatral que lhe serve de ponto de partida. Ambas s{\~a}o da responsabilidade de Sturminger e giram em torno das aventuras e desventuras do sedutor veneziano que encontraram na {\'o}pera de Da Ponte e Mozart a sua cristaliza{\cc}{\~a}o mais emblem{\'a}tica. Trata-se, portanto, de uma varia{\cc}{\~a}o cinematogr{\'a}fica de uma varia{\cc}{\~a}o teatral de um tema oper{\'a}tico.Nesta apresenta{\cc}{\~a}o, tratar-se-{\'a} de discutir a hibridez deste objecto em rela{\cc}{\~a}o com os debates em curso sobre o cruzamento dos g{\'e}neros oper{\'a}tico e cinematogr{\'a}fico. Em especial, interessa-nos o facto de o filme operar um desvio relativamente a uma associa{\cc}{\~a}o amplamente praticada e debatida: j{\'a} n{\~a}o {\'e} a diva – martirizada, suicida, defunta – o ep{\'i}tome do g{\'e}nero oper{\'a}tico (como o {\'e} em filmes como E la nave va ou Callas forever), mas o sedutor inveterado e moribundo (encarnado por uma figura ic{\'o}nica do cinema). O tema f{\'u}nebre, por{\'e}m, persiste: assistimos {\`a} morte e {\`a} translada{\cc}{\~a}o do corpo de Casanova, tal como em Fellini assist{\'i}ramos {\`a} ex{\'e}quias mar{\'i}timas de Edmea Tetua. A atrac{\cc}{\~a}o do cinema pela {\'o}pera – parafraseando Michal Grover-Friedlander – conhece aqui, tamb{\'e}m ele, uma varia{\cc}{\~a}o, sendo esta que importa interrogar criticamente nos seus pressupostos e implica{\cc}{\~o}es est{\'e}ticas.",
keywords = "{\'o}pera, teatro, cinema, Sturminger, Casanova Variations",
author = "Cachopo, {Jo{\~a}o Pedro de Bastos Gon{\cc}alves}",
note = "info:eu-repo/grantAgreement/FCT/5876/147237/PT# info:eu-repo/grantAgreement/FCT/SFRH/SFRH{\%}2FBPD{\%}2F79759{\%}2F2011/PT# UID/EAT/00693/2013 SFRH/BPD/79759/2011; null ; Conference date: 21-05-2015 Through 23-05-2015",
year = "2015",
language = "Portuguese",

}

A ópera como teatro como cinema : A propósito de Casanova Variations (2014) de Michael Sturminger. / Cachopo, João Pedro de Bastos Gonçalves.

2015. Abstract from Encontro Anual da AIM, Lisboa, Portugal.

Research output: Contribution to conferenceAbstract

TY - CONF

T1 - A ópera como teatro como cinema

T2 - A propósito de Casanova Variations (2014) de Michael Sturminger

AU - Cachopo, João Pedro de Bastos Gonçalves

N1 - info:eu-repo/grantAgreement/FCT/5876/147237/PT# info:eu-repo/grantAgreement/FCT/SFRH/SFRH%2FBPD%2F79759%2F2011/PT# UID/EAT/00693/2013 SFRH/BPD/79759/2011

PY - 2015

Y1 - 2015

N2 - "I need variation, I require variation” – proferidas por John Malkovitch no início do filme, estas palavras parecem traduzir o gesto subjacente à produção de The Casanova Variations. Com efeito, operático é não só o tema do filme mas desde logo o da produção teatral que lhe serve de ponto de partida. Ambas são da responsabilidade de Sturminger e giram em torno das aventuras e desventuras do sedutor veneziano que encontraram na ópera de Da Ponte e Mozart a sua cristalização mais emblemática. Trata-se, portanto, de uma variação cinematográfica de uma variação teatral de um tema operático.Nesta apresentação, tratar-se-á de discutir a hibridez deste objecto em relação com os debates em curso sobre o cruzamento dos géneros operático e cinematográfico. Em especial, interessa-nos o facto de o filme operar um desvio relativamente a uma associação amplamente praticada e debatida: já não é a diva – martirizada, suicida, defunta – o epítome do género operático (como o é em filmes como E la nave va ou Callas forever), mas o sedutor inveterado e moribundo (encarnado por uma figura icónica do cinema). O tema fúnebre, porém, persiste: assistimos à morte e à transladação do corpo de Casanova, tal como em Fellini assistíramos à exéquias marítimas de Edmea Tetua. A atracção do cinema pela ópera – parafraseando Michal Grover-Friedlander – conhece aqui, também ele, uma variação, sendo esta que importa interrogar criticamente nos seus pressupostos e implicações estéticas.

AB - "I need variation, I require variation” – proferidas por John Malkovitch no início do filme, estas palavras parecem traduzir o gesto subjacente à produção de The Casanova Variations. Com efeito, operático é não só o tema do filme mas desde logo o da produção teatral que lhe serve de ponto de partida. Ambas são da responsabilidade de Sturminger e giram em torno das aventuras e desventuras do sedutor veneziano que encontraram na ópera de Da Ponte e Mozart a sua cristalização mais emblemática. Trata-se, portanto, de uma variação cinematográfica de uma variação teatral de um tema operático.Nesta apresentação, tratar-se-á de discutir a hibridez deste objecto em relação com os debates em curso sobre o cruzamento dos géneros operático e cinematográfico. Em especial, interessa-nos o facto de o filme operar um desvio relativamente a uma associação amplamente praticada e debatida: já não é a diva – martirizada, suicida, defunta – o epítome do género operático (como o é em filmes como E la nave va ou Callas forever), mas o sedutor inveterado e moribundo (encarnado por uma figura icónica do cinema). O tema fúnebre, porém, persiste: assistimos à morte e à transladação do corpo de Casanova, tal como em Fellini assistíramos à exéquias marítimas de Edmea Tetua. A atracção do cinema pela ópera – parafraseando Michal Grover-Friedlander – conhece aqui, também ele, uma variação, sendo esta que importa interrogar criticamente nos seus pressupostos e implicações estéticas.

KW - ópera

KW - teatro

KW - cinema

KW - Sturminger

KW - Casanova Variations

M3 - Abstract

ER -