13 de maio: História de um feriado lisboeta e da memória de Pombal na capital portuguesa

Research output: Contribution to journalEditorialpeer-review

17 Downloads (Pure)

Abstract

Mais de dois séculos e meio após o terramoto de 1755, Sebastião José de Carvalho e Melo é um nome ainda indissociável da História da capital portuguesa. Poucos lisboetas saberão, contudo, que a data do seu nascimento (13 de maio) foi já feriado municipal. Quando tal sucedeu, em 1926, por decisão do executivo autárquico, a figura do Marquês de Pombal era objeto de culto político desde os primeiros tempos da monarquia constitucional e, no momento de eleger a data do feriado municipal, a Câmara escolheu aquele que era considerado o «reedificador de Lisboa». Esta opção foi apenas uma de várias iniciativas municipais que culminavam num espírito Oitocentista fortemente relacionado com Pombal. Ao longo de praticamente 100 anos e percorrendo três regimes, o Marquês foi uma figura considerada heroica e unificadora de uma ideia de Portugal. 1926 foi um ano-destino dessa reverência histórica ao ministro de D. José, um momento tão decisivo como efémero na gestão da memória pública desta controversa figura.
Original languagePortuguese
Pages (from-to)80-103
Number of pages23
Journale-Letras com Vida
Volume10
DOIs
Publication statusPublished - Jun 2023

Keywords

  • Marquês de Pombal
  • Memória pública
  • 13 de maio
  • Culto político

Cite this