'O que há de mais vivo no presente é o passado' – visões da Idade Média na ditadura portuguesa (1926-1940)

Activity: Talk or presentationOral presentation

Description

A crise do regime republicano português levou a que soluções corporativas para a sociedade ganhassem cada vez maior apoio nos meios políticos e intelectuais. Estas propostas, frequentemente alicerçadas nos valores cristãos e numa suposta tradição nacional que remontaria à Idade Média, viam na República a personificação dos valores do materialismo, individualismo e irreligiosidade que haviam conduzido, desde o Renascimento, as sociedades ocidentais a uma profunda crise existencial. Com a implantação da ditadura militar, estas ideias encontraram grande eco entre a elite político-intelectual que desenvolveria as bases do Estado Novo corporativo.
A presente comunicação propõe uma análise das visões sobre o período medieval nos primeiros anos da ditadura em Portugal, tendo como balizas cronológicas o golpe militar do 28 de Maio de 1926 e as comemorações de 1940. Tendo como base um conjunto de fontes historiográficas, filosóficas, ensaísticas e pedagógicas, o objetivo será compreender como uma visão essencialmente idealizada do período medieval serviu para legitimar tanto a construção de uma memória nacional desse período como a disseminação de um conjunto de valores hegemónicos pela ditadura, como os de austeridade, trabalho, ordem e respeito pela autoridade, pela família e pela tradição católica e corporativa. Serão analisados autores que contribuíram especialmente para esta visão, em particular colaboradores da revista A Nação Portuguesa como João Ameal, historiadores com um grande papel na disseminação da memória histórica como Alfredo Pimenta e António Mattoso, ou ainda uma figura como o cardeal Manuel Cerejeira, com a sua obra publicada em 1936 A Idade Média.
Period10 Sep 2013
Event titleAntropologia em Contraponto: V Congresso da Associação Portuguesa de Antropologia
Event typeConference
Conference numberV
LocationVila Real, Portugal