LextPT: Um teste rápido e confiável da proficiência do PLE para trabalhos experimentais

  • Li, X. (Speaker)
  • Chao Zhou (Speaker)

Activity: Talk or presentationOral presentation

Description

A diversidade de perfis de aprendentes tem tornado a avaliação de níveis de proficiência difícil nos estudos da aquisição e do processamento de L2. O tamanho de vocabulário receptivo, que se mostrou sólido como um indicador confiável da competência lexical (Read, 2000), correlaciona com várias competências linguísticas L2 (e.g. Beglar & Hunt, 1999; Laufer, 1992, 1998; Qian, 1999; Stæhr, 2008, Zimmerman, 2004, Milton et al., 2010; Zimmerman, 2004), e tem sido provado e utilizado como referência da proficiência global em L2 na literatura psicolinguística (Meara, 1996; Bonk, 2000; Zavera et al., 2005). Entre os testes desenvolvidos, o LexTALE (Lexical Test for Advanced Learners of English), criado por Lemhöfer e Broersma (2012) para avaliar o tamanho de vocabulário de falantes L2 de inglês, releva- se uma ferramenta rápida e acessível que se pode integrar a qualquer desenho experimental com facilidade, com a validade comprovada tanto em L1 como em L2 por trabalhos cognitivos (Diependaele et al., 2013; Khare et al., 2013). Nos últimos anos, têm-se elaborado várias extensões do LexTALE para diferentes línguas, como francês (Barysbaert, 2013), espanhol (Izura et al., 2014), chinês (Chan & Chang, 2018) e italiano (Amenta et al., 2020). A validação destas versões do LexTALE mostrou o potencial de uma padronização multi-linguística. Tendo em conta o facto de ainda não existir um teste homólogo para português, o presente trabalho pretende preencher a lacuna através de construir uma versão de língua portuguesa de LexTALE, um teste de tamanho de vocabulário de português L2 como indicador de proficiência, seja da variedade europeia (PE) seja da variedade brasileira (PB), designada como LextPT. A construção do LextPT envolveu um estudo piloto e um estudo de validação. No estudo piloto, testaram-se 180 itens, consistindo em 90 palavras extraídas por frequências nos corpora SUBTLEX_PT (Soares et al., 2015) e SUBTLEX_pt_BR (Tang, 2012), e 90 pseudopalavras criadas por Justi et al. (2014) e por Venâncio (2018). Neste primeiro estudo participaram 130 falantes L1 (69 de PE e 61 de PB) e 120 falantes L2 (71 de PE e 49 de PB). Foi-lhes apresentado um questionário via Google Forms que consiste em perguntas sobre informações sociolinguísticas e em 180 itens numa ordem semi-aleatória, e foi- lhes pedido que indicassem as palavras que conheciam ou acreditavam ser uma palavra em português mesmo sem ter a certeza do significado exato. Posteriormente, foi conduzida uma análise empregando a correlação ponto-bisserial e a Teoria da Resposta ao Item (IRT), e foram deste modo selecionadas 60 palavras e 30 pseudopalavras que se distribuem em diferentes graus de dificuldade e que, simultaneamente, manifestam o adequado poder discriminatório. Os 90 itens selecionados constituem a versão final do LextPT, que leva cerca de 5 minutos para completar. No estudo de validação, foi aplicado de forma idêntica ao piloto o teste dos 90 itens a um novo grupo de informantes, composto por 297 falantes L1 (134 de PE e 163 de PB) e 304 falantes L2 (144 de PE e 160 de PB). Os resultados passaram pelos testes de confiabilidade, revelando que o LextPT obtinha resultados fiáveis não apenas para aprendentes de ambas variedades do português (PE: α=0.93; PB: α=0.94), mas também para aprendentes que têm L1s tipologicamente distintas (chinesa: α=0.87; românica: α=0.95; germânica: α=0.94). Dada a eficácia, a acessibilidade e a confiabilidade, conclui-se que a elaboração do LextPT é satisfatória.
Period28 Oct 2021
Event titleXXXVII Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística
Event typeConference
Degree of RecognitionNational

Keywords

  • Teste de Vocabulário
  • Proficiência
  • Português Europeu
  • Português Brasileiro
  • Português como Língua Estrangeira